Paraibano encerra greve de fome de quase um mês após TSE barrar Lula

O bancário paraibano ‘Seu Ciço’, de 61 anos, encerrou a greve de fome que mantinha há 29 dias em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF) em pedido da liberdade do ex-presidente Lula, preso em Curitiba, Paraná. Quem também encerrou a greve de fome foi o pernambucano Francisco de Assis, 59 anos. Eles tomaram a decisão após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) barrar a candidatura de Lula, em julgamento nessa sexta-feira (31).

‘Seu Ciço’ conversou com o ParlamentoPB e disse que Lula está só e que a militância do PT escolheu o conforto das redes sociais ao invés de mobilizar-se em grande número em frente ao STF. Ele revelou que chegou em Brasília com 58kg e voltará à Paraíba pesando 44kg. “Tenho que voltar para minha família, para meu trabalho”, disse ele.

 

Saiba mais

TSE barra a candidatura do ex-presidente Lula ao Palácio do Planalto

PT diz que vai recorrer da decisão que impediu candidatura de Lula

 

Veja na íntegra o que diz a nota dos dois militantes.

MANIFESTO DOS GREVISTAS DE FOME NO STF

Nós, cidadãos brasileiros, Cícero Ezequiel Filho, bancário paraibano, 61 anos, dirigente sindical e militante social, e Francisco de Assis Esmeraldo Oliveira, 59 anos, piauiense, técnico em construção civil, militante social da Tenda da Fé em Recife, vimos à público declarar o que segue:

Há respectivamente, 29 e 18 dias, voluntariamente, iniciamos em frente ao STF, um movimento de resistência pacífica, greve de fome, para denunciar a volta da fome ao povo pobre e por solidariedade e liberdade do Preso Político Lula da Silva, bem como o desrespeito à Constituição Federal e à Resolução das Nações Unidas – ONU, com o objetivo de afastá-lo do processo eleitoral que lidera em todas as pesquisas de opinião com 40% das intenções de voto.

Conscientes do papel do militante quando a institucionalidade falha, nossa greve, não foi um ato de umbigo, tampouco entre quatro paredes, com o apoio irrestrito da militância brasiliense, resignados resistimos a céu aberto aos rigores do outono de Brasília para denunciar a violência midiática e jurídica contra o Presidente Lula e sua família, que além da sua prisão ilegal, culminou com o assassinato – por tortura e pressão – da sua amada companheira Marisa Letícia.

Não saímos da greve com as nossas pernas. Tal qual a fome imposta pelos mecanismos de domínio para influenciar escolhas de um povo fragilizado, nossa fome consciente também flagela e nos reduz a restos humanos indesejados na frente dos palácios – luxuosos e com telhados de vidro – do Planalto Central.

Expostos às intempéries de um clima hostil e à repressão policial, perdemos até 25% de nosso peso corporal. Nunca foi nosso propósito nos tornar mártires, pois que, se mártir há neste país, está preso em Curitiba e responde pelo nome de Luiz Inácio Lula da Silva, eterno melhor Presidente do Brasil. E ainda que o matem política ou fisicamente encarcerado não o matarão no coração dos brasileiros, nem apagarão seu nome imortalizado entre os maiores estadistas da história.

Aos abutres que nos desejaram mortos nesta praça, para acusar o PT de usar o sacrifício de dois idosos para fins políticos, não entregaremos nossos cadáveres para explorações mórbidas. Conscientes de que nossas vidas não nos pertencem, agradecemos a Deus por nos emprestá-las para realizar seu propósito maior: Doarmo-nos por um irmão injustiçado chamado Comandante Lula.

No limite da exaustão humana e sob advertência médica para os riscos às nossas vidas, retornamos espiritualmente fortalecidos àqueles que de fato pertencemos, nossas famílias, nossos amigos e às lutas que nos esperam para reconstruirmos todo o arcabouço de direitos construído por Lula em quarenta anos e destruído pelo golpe de 2016 em dois.

Brasília, 01 de setembro de 2018.

Cícero Ezequiel Filho

Francisco de Assis Esmeraldo Oliveira

Paraibano encerra greve de fome de quase um mês após TSE barrar Lula

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.