MPPB e MPF pedem explicações sobre suspensão da vacinação contra a covid-19 em João Pessoa

O Ministério Público da Paraíba e o Ministério Público Federal enviaram ofício, neste domingo (11), ao secretário de Saúde de João Pessoa, Fábio Rocha, solicitando, no prazo de 24 horas, manifestação sobre a suspensão da vacinação contra a covid-19, ocorrida neste domingo, na Capital, entre outros problemas.

O ofício foi encaminhado pela 49ª promotora de Justiça de João Pessoa, Jovana Tabosa, que atua na defesa da saúde, e pelos procuradores da República José Guilherme Ferraz e Janaína Andrade de Sousa e Sérgio Rodrigo de Castro Pinto.

Segundo os membros do MP, desde a última sexta-feira (9), várias reclamações têm chegado ao Ministério Público de falta de vacina, demora nas filas, dificuldade de agendamento para vacinação, o que é comprovado com notícias jornalísticas na imprensa local. Também chegou ao conhecimento do MPPB que a vacinação no município foi suspensa, inclusive para aplicação da segunda dose.

No ofício é destacado que os Ministérios Públicos lançaram, recentemente, campanha convocando a população para tomar a segunda dose da vacina contra covid-19, na mesma linha do que já vinha sendo divulgado pelo Município de João Pessoa.

Também é destacado que, desde 2020, os ramos do Ministério Público no Estado (MPPB, MPF e Ministério Público do Trabalho) têm adotado diariamente providências no intuito de fiscalizar o efetivo cumprimento das políticas públicas capazes de garantir a prestação do serviço de saúde pública à população, especialmente, aos pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Além disso, os MPs têm realizado, desde o início da pandemia, reuniões com diversos órgãos das esferas federal, estadual e municipal, solicitado esclarecimentos, bem como demandando que medidas sejam adotadas pela administração pública a fim de combater o coronavírus na Paraíba, especialmente o atual cenário da vacinação no Estado.

VEJA TAMBÉM

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.