Justiça mantém prisão de acusada de participar de associação para tráfico de drogas

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba negou, nesta terça-feira (23), por unanimidade e em harmonia com parecer ministerial, pedido de Habeas Corpus (HC) impetrado em favor de Alexsandra Rodrigues da Silva. Ele é acusada dos crimes de tráfico e associação para tráfico ilícito de drogas, corrupção de menores e posse ilegal de armas de fogo de uso restrito. O relator do HC nº 0803386-50.2019.815.0000 foi o desembargador Arnóbio Alves Teodósio.

A defesa requereu, com base no artigo 318, incisos III e V do Código de Processo Penal, a substituição da prisão preventiva para domiciliar. Ao final, alegou que a paciente é detentora de condições favoráveis, tais como a primariedade, bons antecedentes e endereço certo.

Ao negar o pedido de prisão domiciliar, o desembargador Arnóbio Alves ressaltou que apesar do Supremo Tribunal Federal, no HC nº 143.641/SP, ter concedido habeas  coletivo, determinando a substituição da prisão preventiva por domiciliar a todas as mulheres presas que se encontram gestantes, puérperas ou mães de crianças com até 12 anos de idade e deficientes, há necessidade de análise de cada caso pelo magistrado.

“Neste processo, não é o mais recomendado”, afirmou o relator Arnóbio, enfatizando que, nos autos, há uma suposta participação da paciente em associação criminosa, notadamente, voltada para a prática dos crimes de tráfico de drogas e corrupção de menores e posse ilegal de arma de fogo de uso restrito.

Caso – A paciente responde a processo criminal junto com mais outros três denunciados, todos acusados da prática, em tese, dos crimes previstos nos artigos 33 e 35 ambos da Lei nº 11.343/06, nos artigos caput, 1º; § 1º, c/c o 2º da Lei nº 12.850/13, no artigo 244-B do Estatuto da Criança e Adolescente (ECA).

A partir do cumprimento de uma ordem judicial, do Juízo da 6ª Vara Mista da Comarca de Sousa, de busca e apreensão domiciliar e pessoal de seu companheiro e acusado, foi encontrada pelos policiais uma porção de maconha, uma quantia em espécie no valor de R$ 835,00, um rádio de comunicação HT, três aparelhos celulares, além de vários saquinhos plásticos, comumente utilizados para embalar entorpecentes.

Justiça mantém prisão de acusada de participar de associação para tráfico de drogas

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.