Ato no sábado responderá a tentativa de excluir deficientes da praia

A repercussão foi intensa. Depois que um grupo de moradoras do Cabo Branco procurou a vereadora Helena Holanda (PP) para pedir que as pessoas com deficiência deixassem de frequentar a praia nas imediações de onde elas residem, os apoiadores do projeto Acesso Cidadão resolveram convocar a população para participar de um repúdio pacífico à atitude preconceituosa.

No próximo sábado, 24, das 8h30 até 12h será realizado um abraço solidário em contraponto a denúncia feita contra o projeto que toma por base a Lei Brasileira de Inclusão. “O projeto é exclusivamente encabeçado por voluntários e usuários do evento! Venha conhecer essa família, venha ver a felicidade nos olhos de cada um de nós que faz parte disso!”, diz a convocação.

“Houve um preconceito social, mas não irei me incomodar e muito menos cogitar sair do espaço público que é de direito de todos, portanto eu perdoo estas pessoas que se incomodam com a felicidade e alegria humana e digo que elas precisam de mais amor. O que incomoda não somos nós, mas sim a falta de amor ao próximo”, disse Genilson Machado Lima, coordenador do Projeto Acesso Cidadão.

Ato no sábado responderá a tentativa de excluir deficientes da praia

3 comentários

  • Milena
    08:42

    Sério q isso é verdade? Meu Deus que pessoas são essas tão horrível .

  • MARIA Auxiliadora Ferreira
    08:42

    Estava aqui pesquisando se não haveria alguma manifestação contra essa ” bestialidade”.
    Não conheço o projeto pois estou aqui faz pouco tempo mas fiquei chocada quando li sobre o assunto. Conhecendo quase todas as capitais, não tenho dúvidas que é uma das mais acolhedoras. Cabe aqui aquele velho ditado : Os incomodados que se mudem. Vamos esperar pra ver se as “senhoras:” que pediram a retirada do projeto, se manifestem.

  • Fernandes
    08:42

    Eu moro no Cabo Branco e não me incomodo com esse projeto, é uma ação agregadora que ocorre apenas numa área específica da praia e da calçada.

    Lamento sim por outros eventos, sobretudo corridas, que fecham calçadas e as duas faixas da avenida irregularmente, retirando o direito de ir e vir dos moradores e turistas, utilizam palcos e carros de som a partir das 5h da manhã, e muitas vezes ainda poluem a praia e as ruas com centenas de copos plásticos jogados pelos participantes. Esses sim cometem crimes e sujeitam a riscos outros cidadãos. O lazer de alguns não pode excluir o direito de muitos. Nos dias dessas corridas, moradores não podem sair de casa de carro nem receber seus familiares. Num caso de urgência, todos estarão presos.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.