Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Justiça condena homem que ameaçou de morte ex-companheira de 14 anos

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Um homem que obrigou a ex-companheira a subir no tanque de uma moto, além de tê-la ameaçado de morte, foi condenado a nove meses de detenção nas penas dos crimes de constrangimento ilegal e ameaça, no contexto de violência doméstica e familiar. A sentença foi proferida pela juíza Alessandra Varandas, da Comarca de Areia, nos autos da ação nº 0000097-26.2019.815.0071.

De acordo com a denúncia, o caso aconteceu no dia 19 de dezembro de 2018 na subida do Morro São Sebastião, Bairro Jussara, na cidade de Areia. A vítima, de 14 anos de idade, foi constrangida pelo acusado, seu ex-companheiro, a subir no tanque de uma moto contra sua vontade, após o que foi levada a um lugar chamado de “Beco da Gia”, onde a largou e disse que se a encontrasse novamente iria matá-la.

Ao ser ouvida em juízo, a vítima confirmou os fatos, afirmando que estava na companhia de sua colega quando o réu se aproximou numa moto, pedindo para que subisse no veículo. Ao negar, o acusado apertou seu braço, momento em que sua colega se intrometeu, tendo o homem dado um tapa no seio dela. Contou, ainda, que o réu, então, a pegou pelo braço e pela perna colocando-a em cima do tanque da motocicleta. Após ser levada ao local conhecido como “Beco da Gia” foi ameaçada de morte. Contou que estava separada do acusado, mas ele não aceitava a separação.

O réu ao ser interrogado negou a prática dos delitos, afirmando que a vítima subiu na motocicleta por sua livre e espontânea vontade e apenas lhe deu uma carona, tendo conversado com esta acerca da criação da filha que têm juntos, mas em nenhum momento a ameaçou de causar mal injusto.

Na sentença, a juíza afirmou que a versão apresentada pelo réu está dissociada das provas dos autos. “Saliente-se que o delito em evidência praticado pelo agente contra a ex-companheira caracteriza a incidência da Lei Maria da Penha, uma vez ter a ação criminosa sido cometida no âmbito familiar e em razão de gênero”, ressaltou.

A magistrada suspendeu a execução da pena, nos termos do artigo 77 do Código Penal, por dois anos, mediante a aplicação de algumas medidas, dentre elas prestar serviço à comunidade, proibição de frequentar bares e assemelhados durante o tempo da pena, proibição de se aproximar da vítima numa distância de 100 metros e se recolher em sua residência nos feriados e nos finais de semana, bem como nos dias úteis, entre 22h às 7h do dia seguinte.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

UEPB: uma crise democrática

Confusão continua: TRE nega ter chancelado posse de Raissa Lacerda na Câmara

Anteriores

Wellington Farias 2

Wellington Farias será homenageado no Caminhos do Frio em Serraria

Paulo Braz de Moura, prefeito Poço José de Moura

Pleno do TJPB recebe denúncia contra prefeito de Poço José de Moura

Harrison Targino, presidente da OAB-PB

OAB-PB aprova resolução que atualiza tabela de honorários da advocacia previdenciária

Cícero Lucena assina ordem de serviço na Penha

Cícero autoriza obras na Penha, que vai chegar a 100% das ruas pavimentadas

Chuvas e rede elétrica

Meteorologia prevê fim de semana com chuvas em João Pessoa, Campina e outras cidades

Forró Preto no Branco

Funjope leva autêntico forró nordestino para mercados públicos nesta sexta

Santanna no são joãode cg

Santanna e Zé Vaqueiro abrem nesta sexta-feira o São João de Bananeiras

Cícero e o Crea-pb

Crea-PB e Prefeitura de João Pessoa Firmam acordo de cooperação técnica

João Azevêdo 26

João autoriza aumento no número de convocados do concurso da PM e Bombeiros

Lily Sanfoneira

Projeto Café no Forró continua neste fim de semana na Usina Cultural Energisa