Reitor da UFPB admite bonificação para alunos paraibanos proposta por Galdino

 

O reitor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), professor Valdiney Gouveia, disse nesta sexta-feira (9) ao ParlamentoPB que é coerente a proposta feita pelo presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), deputado Adriano Galdino, da concessão de bonificação de 10% nas notas do Enem para alunos da Paraíba.

“De fato, já tínhamos acordado essa possibilidade. O pedido do deputado Galdino é coerente com o que pretendemos. Entretanto, unicamente isso poderá ser feito no próximo ano, uma vez que no edital vigente isso não estava previsto. Teremos novidades no próximo ano”, anunciou Valdiney Gouveia.

O deputado Adriano Galdino apresentou requerimento na Casa solicitando aos reitores da UFPB, Valdiney Gouveia, e da Universidade federal de Campina Grande (UFCG), Antônio Fernandes Filho, uma bonificação de ao menos 10% na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para todos os estudantes que cursaram o ensino médio e residem no território paraibano.

Adriano justifica seu pleito afirmando que a medida estabelece critérios de inclusão regional, bem como estimula o acesso aos estudantes do Estado a universidades. Ele lembra que a iniciativa tem sido cada vez mais frequentes nas Universidades Públicas brasileiras, no intuito de fortalecer a influência regional no ingresso de estudantes ao ensino superior.

“O presente requerimento tem como objetivo sensibilizar toda a comunidade acadêmica e estudantil em resguardar a política já implantada em diversas universidades federais e expandi-la o máximo possível para todo o Brasil, sobretudo em nosso Estado, como forma de democratizar o acesso à educação superior e a reduzir as desigualdades regionais do país, garantindo a permanência de estudantes e futuros profissionais nas cidades do interior, além de trazer benefícios para as populações locais”, afirmou.

O presidente da Assembleia ressalta que “a própria Constituição Federal, em seu art. 3º, inciso III, admite iniciativas que visam erradicar a marginalização e desigualdades regionais, e o Decreto nº 7.824, de 11 de outubro de 2012, autoriza as Instituições federais de ensino a criarem outras modalidades de ação afirmativa, a exemplo da reserva de vagas”.

“As universidades públicas brasileiras constituem um verdadeiro celeiro de ações afirmativas e que acabam servindo como uma caixa de ressonância para o fortalecimento dessas ações nos demais segmentos da sociedade. Entre 2003 e 2014, período no qual foram criadas 18 universidades no país, o número de municípios atendidos por essas instituições aumentou em 153%, e o número de matrículas na graduação presencial saltou de 500.459 para 932.263. A política de interiorização do ensino superior produz, portanto, um forte impacto na sociedade”, comentou.

Adriano acrescenta que interiorização tem como propósito democratizar o acesso à universidade pela população das cidades pequenas e médias. “O objetivo de nosso requerimento é tornar o estado da Paraíba um dos pioneiros do país na adoção dessa ação afirmativa, valorizando significativamente os estudantes de nossa terra na conquista do tão sonhado acesso à Universidade”, completou.

VEJA TAMBÉM

1 comentário

  • Marcelo Feitosa Carvalho
    08:52

    Imoral. Ações afirmativas.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.