Patrícia Roberta foi morta por asfixia, revela laudo do IPC

A estudante pernambucana Patrícia Roberta, de 22 anos, foi morta por asfixia por esganadura. É o que revela o laudo da causa da morte emitido pelo Instituto de Polícia Científica. Patrícia foi morta na Paraíba, onde veio visitar um ‘amigo’ Jonathan Henrique Conceição dos Santos, preso como principal suspeito do crime.

“Ela tentou se defender, mas não conseguiu. Tenho plena certeza e confiança na Justiça da Paraíba e todos que estão envolvidos na investigação, que ele vai ser condenado e pegar pena máxima. Não vai trazer minha filha de volta, mas vai deixar esse elemento fora de circulação por muito tempo”, declarou o pai de Patrícia Roberta, Paulo Roberto.

Jonathan Henrique Conceição dos Santos foi indiciado pelo crime. Além dele, a atual namorada, Ivyna Maria Oliveira, que está grávida, também foi indiciada pelo assassinato da pernambucana

Patrícia Roberta foi morta no domingo, 25 de abril, mas seu corpo só foi encontrado dois dias depois, quando os pais dela vieram de Caruaru onde moram procurar pela moça, que não dava notícias desde o meio-dia do domingo. No apartamento onde ela ficou hospedada, não encontraram ninguém. Um vizinho informou que tinha visto Jonathan deixando o local de madrugada transportando um tambor de lixo em um carrinho de mão. Os dois discutiram e Jonathan voltou ao prédio para pegar a motocicleta, onde colocou um volume parecido com um corpo e saiu em alta velocidade. Seu trajeto foi registrado por câmeras de segurança da área e com isso a polícia conseguiu localizar a área onde o cadáver estava enterrado. Era um terreno por trás de um condomínio no Novo Geisel.

Naquela mesma noite Jonathan foi preso em ação conjunta da Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiro na casa de um amigo, Marcos Mendes dos Santos, de 23 anos, em Mangabeira. Ele cumpriu um período de quarentena na Central de Polícia e depois foi encaminhado ao Presídio do Róger onde permanece aguardando o julgamento.

As acusações que pesam sobre Jonathan são feminicídio e ocultação de cadáver. Já a acusação contra Ivyna ainda é desconhecida, uma vez que o processo corre em segredo de Justiça.

VEJA TAMBÉM

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.