Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Mulheres são condenadas por furto de celular no banheiro de pizzaria em JP

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Duas mulheres foram condenadas a dois anos de reclusão, em regime aberto, pelo furto de um celular no banheiro de uma pizzaria em João Pessoa, fato ocorrido no dia 18 de agosto de 2019. Elas foram incursas nas sanções do artigo 155, § 4º, inciso IV, do Código Penal (furto qualificado pelo concurso de agentes). A sentença é da juíza Andréa Arcoverde, da 1ª Vara Criminal da Capital, nos autos da ação nº 0007670-45.2019.815.2002.

Consta no processo que a vítima encontrava-se em uma pizzaria da Orla da Capital quando, em um dado momento, dirigiu-se ao banheiro, lá esquecendo seu iphone 6S, da marca Apple, na prateleira. Ao retornar para a mesa, percebeu que as acusadas também adentraram ao banheiro e, ao sentir a falta de seu aparelho, não o encontrando, indagou de ambas acerca do seu paradeiro, sendo por elas respondido que não haviam visto.

A denúncia afirma, ainda, que, desconfiada de que seu iphone estaria na posse das acusadas, a vítima acionou a Polícia Militar, que, após realizar busca pessoal, encontrou o aparelho na bolsa de uma delas.

Ao ser interrogada em juízo, uma das acusadas confessou a prática delitiva, afirmando que estavam vindo de um bar a caminho de casa quando entraram na pizzaria para usar o banheiro, no qual encontraram o telefone celular que estava desligado e guardaram na bolsa. Já a outra acusada confessou que, “quando chegaram no banheiro viram o celular, não sabiam de quem era e pensaram em guardar, para quando estivessem melhor da embriaguez ligarem e devolverem”.

O Ministério Público requereu a procedência da denúncia, com a condenação das acusadas. A defesa, por sua vez, valendo-se de teses alternativas, pleiteou a absolvição; aplicação do princípio da insignificância; atipicidade da conduta por erro na capitulação dada aos fatos; desclassificação do crime para forma tentada ou desclassificação da conduta imputada para a prevista no artigo 169, II, do Código Penal.

Nenhuma das teses defensivas foi acolhida pela juíza Andréa Arcoverde. De acordo com a magistrada, o conjunto probatório não deixa dúvidas sobre a prática delitiva atribuída às acusadas, devendo as duas serem condenadas nos moldes da denúncia do Ministério Público. Na sentença, houve a substituição da pena privativa de liberdade por duas restritivas de direitos, a serem estabelecidas pelo juízo das execuções penais.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

‘Festa da Adoção’ tenta aproximar crianças e adolescentes de pessoas aptas a adotar

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Anteriores

Escola 2

Ministério Público ajuíza ação para obrigar município de Conde a reformar escola

Chuvas em João Pessoa 3

Meteorologia prevê mais chuvas para João Pessoa e outros municípios nas próximas horas

Centro-Administrativo-pb-640x388

Repartições públicas estaduais terão ponto facultativo na quinta, dia de Corpus Christi

Chuvas e rede elétrica

Energisa alerta sobre riscos de choques elétricos em dias de chuva e dá dicas de segurança

Emerson Panta, prefeito de santa rita

MP dá dois dias para Emerson Panta suspender festa de São João estimada em R$ 10 milhões

Protesto na BR 101 2

Moradores protestam e fecham BR 101, na divisa da Paraíba com Pernambuco

Chuvas em frente a CBTU

Semob orienta população para evitar deslocamentos desnecessários hoje

pedroseggudo

Chuvas: Muro da Cagepa cai, apresentador tem carro alagado e capital vive caos

Câmara de Sumé

MPPB expede recomendação à Câmara de Sumé sobre cargos comissionados

pfforadacaixa

PF cumpre mandados contra ex-gerente suspeito de desviar dinheiro da Caixa na PB