MPF suspende homologação de concurso da ANA

A pedido do Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF/ES), a Justiça Federal determinou, em caráter liminar, a suspensão da homologação do concurso público da Agência Nacional das Águas (ANA) para o cargo de analista administrativo para nove especialidades e também para o cargo de analista administrativo destinado a qualquer área de formação. A decisão da Justiça Federal no Espírito Santo é do último dia 25 de maio e tem efeito em todo o país.

Está suspensa por determinação judicial, portanto, a homologação do concurso em relação às seguintes áreas de conhecimento do cargo de analista administrativo: arquivologia, biblioteconomia, ciências contábeis, ciências econômicas, comunicação social com habilitação em jornalismo, comunicação social com habilitação em publicidade, comunicação social com habilitação em relações públicas, tecnologia da informação e comunicação com habilitação em administração de rede e segurança de informações e qualquer área de formação.

A decisão não se refere às especialidades de administração e de tecnologia da informação e comunicação com habilitação em desenvolvimento de sistemas e administração de banco de dados. Em relação a essas áreas de conhecimento, o concurso prossegue normalmente. O número da ação para acompanhamento processual no sítio da Justiça Federal é 2009.50.01.005382-6. No endereço é possível ver a íntegra da decisão judicial.

No último dia 11 de maio, o MPF/ES ajuizou ação civil pública com pedido de tutela antecipada contra a ANA e a União para que a Escola Superior de Administração Fazendária (Esaf) suspendesse imediatamente os atos homologatórios do concurso público para o cargo de analista administrativo para essas nove especialidades e também para o cargo de analista administrativo destinado a qualquer área de formação.

O MPF constatou que o tema “PMBOK – Project Management Body of Knowlwdge”, prevista no Edital Esaf nº 0096/2008 apenas para os cargos de analista administrativo/administração, analista administrativo/tecnologia da informação e comunicação com habilitação em desenvolvimento de sistemas e administração de banco de dados, foi tema de discursiva também para quem pleiteava outros cargos.

Além da suspensão da homologação do concurso, o MPF quer também a anulação, em caráter definitivo, da prova discursiva aplicada para essas especialidades. O questionamento do MPF/ES em relação ao concurso ocorreu em razão da inobservância do conteúdo programático previsto no edital para determinados cargos, e não do tema em si cobrado na prova escrita.

Vários candidatos classificados na prova objetiva mas eliminados na discursiva tiraram nota zero. Além disso, na avaliação do autor da ação, o procurador da República André Pimentel Filho, que responde pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), a proporção de notas baixíssimas em relação ao número total de provas corrigidas “é indicativo seguro de que muitos dos candidatos não tiveram qualquer chance em relação ao tema abordado”

 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.