Eliza admite ter criado movimento contra placas e quer mais ações: “Deus me dará vitória”

Em um grupo de WhatsApp constituído por pastores evangélicos, a vereadora pessoense Eliza Virgínia (PP) se dispôs a começar uma campanha, com a ajuda dos líderes religiosos, para que os comerciantes entrem na Justiça a fim de retirarem as placas com inscrições contra a discriminação por orientação sexual na Paraíba. A parlamentar, inclusive, diz que dará assessoria jurídica a todos os interessados em conseguir o direito de não exibir os cartazes, que se tornaram obrigatórios com a lei do deputado Anísio Maia, de 2017 e que trazem a inscrição: “Discriminação por orientação sexual é ilegal e acarreta multa, Lei estadual nº 7.309/2003 e Decreto nº 2760/2006.”

“Peço oração, estou na Justiça e creio que Deus também vai me dar vitória assim como me deu com a liminar dessa lei dos cartazes”, disse Eliza Virgínia, que apontou o procurador do Trabalho, Eduardo Varandas, e o suplente de vereador Marmuthe Cavalcanti (PSD) como autores de ações para cassar seu mandato caso ela assumisse a vaga na Assembleia Legislativa, motivo pelo qual explica ter optado por permanecer na Câmara de João Pessoa.

3 comentários

  • Karlenia sobreira
    13:51

    Religião com politica não dâ…essa criatura quer impor seus dogmas religiosos para a cidade de João Pessoa….fico triste ver uma coisa dessa usando o poder de maneira errada.os gays são mortos… de maneira cruel. E o Nordeste c seu machismo tem a homofobia muito forte…essa s noção q n tem o q fazer ainda ousa falar em nome de Deus fazendo barganha. Deveria so ser beata q ja seria muito. Aqui ė preciso sim de lei e especificar….desenhar…p o pivão entender, respeirar pq essa classe sofre bem mais q outras classes descriminadas. Vamos evoluir e fora religião da administração publica.

  • Ricardo
    13:51

    Parabens a VEREADORA
    Temos que repeitar a diversidade, porém as Leis que visam unicamente expor e impor condições de aceitabilidade é demais.
    Na linha de prioridade temos as mortes violentas decorrente de drogas que atingem mais de 90¢ do sexo masculino.; Temos a corrupção; temos os assaltos ao cidadão; temos o estupro.
    Porque a placa exclusiva para homofobia se os negros também são discriminados, os pobres também são discriminaodos.
    Esse excesso de exposição que visam notoriedade causa apenas indiferença.

  • Duende Bom Fazejo
    13:51

    VÊ-se que infelizmente a má escolha de FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS (Políticos) gera um dano irreparável a laicidade estatal e ao direito constitucional.
    É vergonhoso como a administração pública é usada para fazer gosto a grupos religiosos ou de empresários, onde mais vergonhoso ainda é um agente público falar asneiras em pleno século XXI.
    Sabemos bem sobre a citada acima que enquanto vereadora usou da máquina administrativa(usando a marca d’aguá oficial da Câmara de Vereadores da Cidade de João Pessoa) tentou censurar um cidadão pessoense enviando para certo conselho de pastores o documento inquirindo ao grupo o porque do mesmo ser contra as idéias insanas e obtusas propostas por ela em audiência pública.
    Essa Duende Mal Fazeja é a mesma que na sua moral ilibada estava com impostos atrasados segundo várias reportagens meses atrás e que quer ser o arauto de Deus?
    A vá, creio que o medo de voltar para a Assembléia tenha um motivo bem sério.
    Não se esqueça FUNCIONÁRIA PÚBLICA, você trabalha para a cidade de João Pessoa, não para grupos religiosos ou de empresários, tome tento e seja exemplar em seu mandato, preze pela Carta Magna desta Nação e faça justiça igualitária! Deixe sua religião fora da administração pública!

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.