Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

CRM-PB diz que cumprirá ordem de desinterdição no Trauminha e esclarecerá os fatos ao juiz federal

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) disse que vai cumprir a decisão do juiz federal Manuel Maia de Vasconcelos Neto, que determinou a reabertura do Trauminha de Mangabeira, em João Pessoa, e alegou que o CRM-PB não tem poder de interditar a unidade. O magistrado pontuou, inclusive, que a interdição foi ilegal.

De acordo com o comunicado do Conselho Regional de Medicina da Paraíba, “o CRM-PB irá ainda esclarecer ao juiz as razões pelas quais, após dez fiscalizações terem evidenciado graves problemas, decidiu-se, de maneira colegiada, pela interdição do trabalho médico na unidade de saúde.”

Saiba mais

Justiça Federal suspende interdição do Trauminha de Mangabeira e unidade hospitalar será reaberta

O CRM-PB ressaltou ainda na nota, “que o hospital continua funcionando e a assistência médica aos pacientes internados não sofreu descontinuidade, inclusive para as cirurgias programadas.” E explicou que “a interdição ética dos médicos se deu para a admissão e internamento de novos pacientes, justamente porque as condições do hospital são muito precárias, comprometem o ato médico e trazem risco para o atendimento à população.”

Confira o comunicado na íntegra

COMUNICADO – CRM/PB

O Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) comunica que vai cumprir a determinação do juiz federal Manuel Maia de Vasconcelos Neto, que considerou nula, neste domingo (30), a interdição ética dos médicos do Complexo Hospitalar de Mangabeira Governador Tarcísio Burity (Ortotrauma). O CRM-PB irá ainda esclarecer ao juiz as razões pelas quais, após dez fiscalizações terem evidenciado graves problemas, decidiu-se, de maneira colegiada, pela interdição do trabalho médico na unidade de saúde.

O CRM-PB ressalta que o hospital continua funcionando e a assistência médica aos pacientes internados não sofreu descontinuidade, inclusive para as cirurgias programadas. Até que o último paciente internado receba alta hospitalar, os médicos continuarão a dar assistência. Define-se como interdição ética do trabalho médico a proibição, pelo respectivo Conselho Regional de Medicina, do profissional exercer seu trabalho em estabelecimento de assistência médica por falta de condições mínimas para a segurança do ato médico, conforme a Resolução 2.062/2013 do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Portanto, a interdição ética dos médicos se deu para a admissão e internamento de novos pacientes, justamente porque as condições do hospital são muito precárias, comprometem o ato médico e trazem risco para o atendimento à população. Faltam medicamentos essenciais, equipamentos e material cirúrgico. Além disso, a unidade apresenta problemas sérios em sua estrutura física, como precárias condições de higiene dos quartos e banheiros, com a presença constante de baratas, infiltrações, mofo, buracos no piso e nas paredes, banheiros sem funcionar, cadeiras de rodas e de banho quebradas, falta de privacidade, falta de lençóis e ventilação.

O CRM-PB também informa que continuará cumprindo seu objetivo institucional de fiscalizar o exercício da atividade médica e promover, por todos os meios e ao seu alcance, o perfeito desempenho técnico e moral da medicina.

Principais inconformidades encontradas no Trauminha, segundo o CRM-PB:

1 – Escala médica incompleta, especificamente nos sábados e domingos, tendo apenas um médico para atender sozinho as salas vermelha e verde, além da urgência

2 – Falta de medicamentos (Antibióticos, Anti-inflamatórios, Anticoagulantes)

3 – Falta de material cirúrgico (Telas, órteses, próteses, gazes, luvas, drenos, campo cirúrgicos, roupas, fios cirúrgicos)

4 – Quantidade insuficiente de equipamentos para atender a demanda (capnógrafos, monitores e respiradores)

5 – Ambiente inseguro (relatos de agressão e de consumo de substâncias ilícitas no interior da unidade)

6 – Consultório médico sem maca para examinar paciente

7 – Pacientes com cirurgia infectada na mesma enfermaria de pacientes com cirurgia limpa

8 – Mais de sete dias para a realização de cirurgias

9 – Leitos sem lençóis

10 – Falta de higiene nos quartos e banheiros, com mofo e presença de insetos

11 – Estrutura física das enfermarias em péssimas condições, com banheiros necessitando de reparos

12 – Iluminação insuficiente nas enfermarias para a realização de procedimentos técnicos

13 – Falta de privacidade (Apesar das enfermarias estarem separadas por sexo, os acompanhantes são, na grande maioria, do sexo oposto)

14 – Cadeiras de rodas para transporte dos pacientes com defeitos

15 – Enfermarias sem ventilação, sendo utilizado grande números de ventiladores levados pelos acompanhantes

16 – Leitos com defeitos (camas sem elevação de cabeceiras)

 

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Banco do Nordeste nomeia novo superintendente na Paraíba

Prefeito paraibano fala de “infelicidade” de ter filhos autistas e servidora acrescenta: “São doidos”

Anteriores

verissinhoaz

Opinião: Vídeo completo não altera “infelicidade” de fala de Verissinho sobre autistas

forummangabeira

Fórum Regional de Mangabeira passa por reformas e adota regime de teletrabalho

bd39780962e9a5c9f1b034003fb21f6e

Convenção para referendar André Coutinho e Camila Holanda em Cabedelo será domingo

chuva

Inmet emite alerta de perigo potencial de vendaval para os 223 municípios da Paraíba

1cdfa7ea-df72-4a1e-b570-434ff0e73d4e

Paraíba firma TAC com MPF-PB e garante segurança jurídica aos investidores do Polo Turístico Cabo Branco

WhatsApp Image 2024-07-16 at 16.03.42 (1)

Greve dos servidores do INSS começa nesta terça

WhatsApp Image 2024-07-16 at 16.04.09

Startup paraibana conquista pódio do Oi Osten Girl Power e conhece Luiza Helena Trajano em SP

WhatsApp Image 2024-07-16 at 16.03.42

Taioba Discos abre sua primeira loja física em João Pessoa nesta quarta

prefeitura-de-joao-pessoa

João Pessoa conquista 1º lugar em Transparência na Região Metropolitana

economia_1609210423_0 (1)

Com demanda interna aquecida, economia cresce 0,3% em maio, diz FGV