Capital ganha lar de acolhida para mulheres com recém-nascidos internados na Cândida Vargas

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, entregou, na manhã desta segunda-feira (18), a Casa Mãe Bebê, a primeira casa de acolhida entre todas as capitais do Nordeste em acordo com o que preconiza o Ministério da Saúde, para receber as mulheres que acabaram de ter bebês que continuam em tratamento no Instituto Cândida Vargas (ICV). Com capacidade para receber 17 mamães de bebês prematuros ou com algum tipo de patologia que requer um cuidado especial ainda na maternidade, a Casa oferecerá um verdadeiro lar dedicado a elas com acompanhamento médico e das demais secretarias da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP).

Além de oferecer um lar humanizado, à medida que estas mulheres passarão a aguardar o tratamento de seus filhos recém-nascidos na Casa Mãe Bebê, que fica localizada em frente ao Instituto Cândida Vargas, em Jaguaribe, a iniciativa também permitirá uma importante ampliação da capacidade da maternidade, que ganhará 17 novos leitos (antes ocupados por estas mulheres) para receber outras gestantes e potencializar mais cirurgias ginecológicas.

“Ficamos muito felizes de chegar neste momento de entregar o projeto pioneiro e inovador da Casa Mãe Bebê, resultado de todo um planejamento da Saúde, que passa, sobretudo, pela humanização dos serviços e atendimentos. É mais um compromisso que assumimos com a população da Capital e que terá reflexos no atendimento oferecido para as gestantes de toda a Paraíba, demonstrando nossa preocupação com as mulheres e com as crianças desde antes mesmo de elas nascerem”, afirmou o prefeito Luciano Cartaxo.

A construção da Casa Mãe Bebê faz parte de um projeto desenvolvido pela atual gestão que visa a humanização dos atendimentos de saúde e cuidado com as crianças desde antes mesmo do nascimento, com todo o acompanhamento pré-natal. A casa vai oferecer às mães, o mesmo cuidado dado aos bebês sem que também tenham que ficar internadas em um ambiente hospitalar. Bastando atravessar a rua, elas poderão acompanhar todo o tratamento e recuperação de seus filhos, enquanto também receberão acompanhamento social, psicológico e de médicos e enfermeiros. Cerca de 20% dos partos exigem que as mães passem mais tempo no hospital aguardando a recuperação dos bebês.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), havia casos de mães que precisavam ficar até 90 dias na enfermaria da maternidade acompanhando o atendimento de seus bebês em tratamento após o nascimento. Todo este período, elas tinham que conviver em um ambiente hospitalar enquanto que, a partir de agora, elas serão direcionadas à Casa. O novo espaço fica em uma área de 321,65 m², e conta com uma estrutura composta por sala de estar, refeitório, cozinha, cinco dormitórios, cinco banheiros, despensa, área de serviço, área de convivência e área administrativa. O investimento na construção foi de R$ 403.639,76.

No ICV, aproximadamente 50% dos partos são de mulheres de outras cidades e regiões da Paraíba pelo fato de a maternidade ser de referência de alto risco. Com uma média de 650 partos realizados todos os meses, metade deles são de mamães que muitas vezes chegam a João Pessoa sem ter onde ficar e, depois do parto, não podem retornar às suas cidades porque seus filhos permanecem internados.  Nestas casas, elas serão bem acolhidas e ainda poderão conviver com outras mães, recebendo toda a assistência da PMJP.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.