Campanha “Meu corpo não é sua folia” é lançada em João Pessoa

A primeira dama do Estado, Ana Maria Lins, abriu virtualmente a terceira edição da campanha “Meu corpo não é sua folia”, durante evento com acesso restrito no auditório do Espaço Cultural, nesta segunda-feira (8), em João Pessoa. A iniciativa é da Rede de Proteção às Mulheres em Situação de Violência na Paraíba (Reamcav), coordenada pela Secretaria de Estado da Mulher e da Diversidade Humana e integrada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, Polícia Civil, Tribunal de Justiça, Ministério Público e outros órgãos. A campanha conta com o apoio da Associação Folia de Rua e outras parcerias.

“A campanha é de extrema importância para prevenir e coibir crimes de importunação sexual e violência de gênero. É mais uma iniciativa para orientar sobre a violência doméstica e informar a população sobre como denunciar e buscar ajuda. Neste momento, estamos intensificando a proteção para mulheres em vulnerabilidade, ampliando a Patrulha Maria da Penha, que oferece apoio e segurança para um recomeço de vida, e redobramos a atenção neste Carnaval, cancelado devido à pandemia. Antes de reprimir e punir é preciso evitar que crimes contra as mulheres aconteçam. A nossa união de forças pode salvar a vida de muitas mulheres”, disse a primeira-dama.

Durante a pandemia do Covid-19, os casos de violência doméstica aumentaram no Brasil e durante o período de Carnaval o alerta continua, mesmo sem a saída nas ruas dos blocos pré-carnavalescos em todo o Estado, especialmente durante as prévias como o Folia de Rua e o período do Carnaval. O lema da campanha: “O bom senso adverte, neste carnaval fique em casa. Violência contra a mulher é crime” já dá o tom sobre a importância do apoio da sociedade e da denúncia contra a violência doméstica.

A secretária da Mulher e da Diversidade Humana, Lídia Moura, fez um apelo pedindo a mobilização de toda a sociedade para enfrentar a indiferença e a banalização da violência contra mulheres. “Apelamos para que respeitem a vida das mulheres, pois a casa – o lugar mais seguro para a maioria das pessoas – é o pior lugar para ficar para quem sofre violência. A campanha continua agora dentro das famílias e grupos e pedimos à sociedade que orientem e ajudem as mulheres para denunciar qualquer tipo de violência”, afirmou.

O evento contou com a presença da coordenadora das Delegacias Especializadas de Mulheres, Maísa Félix, da juíza Graziela Queiroga, coordenadora da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça da Paraíba, e de representantes da Delegacia Civil da Paraíba, como a delegada adjunta geral, Cassandra Duarte, a promotora da Mulher, Rosane Araújo, secretária de Politicas para Mulheres da Prefeitura de João Pessoa, Nena Martins e integrantes da Defensoria Pública, Corregedoria Geral da Polícia Civil, OAB-PB e Associação Folia de Rua.

A campanha – A proposta da campanha é “estimular, especialmente as mulheres, a denunciarem as ocorrências à polícia, pois quanto mais rápido a mulher procurar ajuda, mas rápido romper com o ciclo da violência”. Na terceira edição da campanha, o slogan “Meu corpo não é sua folia” continua e mostra que nenhuma mulher pode ter seu corpo tocado ou ser importunada de qualquer forma sem seu consentimento. O crime de importunação sexual prevê pena de um a cinco anos de prisão (Lei 13.718/18). Lançada em 2019, a campanha ganhou adesão popular.

Meu corpo não é sua folia ganhou música e letra de Fuba, interpretada pela cantora Madu Ayá. E o VT da campanha, criado por Beethowen Souza, viralizou nas redes sociais. Em 2021, serão veiculadas peças da campanha na internet e rádio locais. O jingle está disponível nas plataformas de música como Deezer, Youtube Music e Spotify.

Outro objetivo da campanha é divulgar o trabalho da Rede de Proteção às Mulheres, Crianças e Adolescentes em Situação de Violência da Paraíba (Reamcav), assim como o serviço prestado pelas delegacias de Polícia Civil no enfrentamento aos crimes de importunação sexual e violência doméstica e de gênero. Caso não haja uma Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) no município, as denúncias devem ser feitas em qualquer delegacia ou pelos telefones 197 (importunação) e 190 (emergência).

Realização – A campanha é uma iniciativa da Rede Estadual de Proteção às Mulheres, Crianças e Adolescentes em Situação de Violência da Paraíba (Reamcav) e Polícia Civil e tem como principais realizadores: Delegacia Geral da Polícia Civil, Coordenação das Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Secretaria de Segurança e Defesa Social, Secretaria do Estado da Mulher e da Diversidade Humana (Semdh), Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça da Paraíba, Defensoria Pública, Ministério Público da Paraíba, OAB, Assembleia Legislativa, Prefeitura Municipal de João Pessoa e Câmara Municipal de João Pessoa, Codata, Empresa Paraibana de Comunicação (EPC). Conta ainda com a parceria da rede Nord Hotéis, Associação Folia de Rua, Muriçocas de Miramar, Muriçoquinhas do Miramar, Bloco Cafuçu, Virgens de Tambaú e outros.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.