Cabo é expulso da Polícia Militar após ser acusado de estuprar enteada de 12 anos

Um cabo da Polícia Militar da Paraíba foi expulso da corporação após ser acusado de estupro de vulnerável. O processo contra ele tramita na 2ª Vara da Comarca de Cajazeiras e a vítima teria sido a enteada do policial, na época com 12 anos. O crime foi descoberto em junho de 2016, de acordo com informações do Diário Oficial do Estado (DOE) deste sábado (11). O comandante-geral da PMPB, coronel Euller Chaves, assinou a expulsão.

A menina foi encontrada em uma casa abandonada perto da residência da mãe do policial, onde ela teria se refugiado para não ser mais abusada pelo padrasto. A criança relatou que saiu de casa porque não suportava mais os abusos, os quais aconteciam em um sítio do PM. Ela também contou ser ameaçada para não denunciá-lo.

A Vara da Justiça Militar da Paraíba também processa o cabo por ele ter se ausentado por mais de oito dias do trabalho, após ter sido denunciado pelo Ministério Público estadual pelo crime de estupro de vulnerável e ter tido um mandado de prisão preventiva expedido contra ele.

A portaria tem a seguinte descrição sobre o cabo. “é incompatível para o exercício das funções policiais militares, pois agiu em desarmonia com o pundonor e a ética policial militar, o decoro da classe e a honra pessoal.”

Na portaria de expulsão existe ainda a determinação da apreensão das armas de fogo, objetos e identidade militar do policial.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.