Volume de vendas do varejo paraibano cresce 19,6% e alcança 2ª maior alta do País, revela IBGE

A Paraíba voltou a ser destaque no cenário nacional econômico. O volume de vendas do comércio varejista paraibano registrou a 2ª maior alta do país em julho na comparação com junho, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com expansão de 19,6%, o varejo da Paraíba alcançou a maior taxa já registrada para a série histórica em mais de 20 anos do indicador para o mês de julho. Na comparação com julho do ano passado, o índice paraibano teve também forte crescimento (10,9%).

A taxa de crescimento da Paraíba também foi bem superior ao da média nacional (5,2%), ficando atrás apenas entre as 27 unidades da federação do Amapá (34%). No país, apenas quatro estados tiveram crescimento acima de dois dígitos. Além do Amapá e Paraíba, os estados de Pernambuco (18,9%) e do Acre (14%). Por outro lado, pressionando negativamente, figuram seis unidades da Federação, com destaque para: Tocantins (-5,6%), seguido por Paraná e Mato Grosso (ambos com -1,6%).

Comércio ampliado também foi destaque

No comércio varejista ampliado da Paraíba, que inclui veículos, motos, partes e peças e de material de construção, também teve forte expansão de 21%, alcançando também o segundo lugar do País na taxa de crescimento do mês de julho ante junho deste ano. Já o crescimento de julho sobre o mesmo mês do ano passado o crescimento ficou em 8,3%. O país registrou alta de 7,2% em relação a junho, enquanto a média em relação a julho de 2019, o varejo ampliado cresceu 1,6%.

O comércio varejista ampliado teve resultados positivos em 25 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Amapá (35,0%), Paraíba (21,0%) e Pernambuco (15,8%). Por outro lado, com variações negativas, figuram duas das 27 Unidades da Federação: Mato Grosso do Sul (-0,7%) e Piauí (-0,1%).

Base de comparação baixa e auxílio

“Como o indicador despencou de fevereiro até abril, a base ficou muito baixa e essa recuperação vem trazendo todos os indicadores para os níveis pré-pandemia. Alguns setores estão bem acima dos níveis de fevereiro, como móveis e eletrodomésticos (16,9% acima), hiper e supermercados (8,9%) e artigos farmacêuticos (7,3%), além dos materiais de construção (13,9%), no varejo ampliado”, afirmou o gerente da pesquisa do IBGE, Cristiano Santos.

O pagamento do auxílio emergencial do Governo Federal junto com o pagamento em dia do servidor público nos estados e municípios também são apontados como pontos fortes de recuperação no crescimento do varejo. Contudo, o pagamento do Auxílio Emergencial que impactou vendas do varejo, no entanto, deve começar a ser reduzido agora com a diminuição do valor de R$ 600 para R$ 300.

Setores que mais cresceram

Em julho, houve alta no volume de vendas em sete das oito atividades pesquisadas: livros, jornais, revistas e papelaria (26,1%), tecidos, vestuário e calçados (25,2%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (11,4%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (7,1%), combustíveis e lubrificantes (6,2%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (5,0%) e móveis e eletrodomésticos (4,5%). Já os setores de supermercados, alimentos, bebidas e fumo mantiveram-se estáveis em relação ao mês anterior.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.