Valério Vasconcelos

Valério Vasconcelos é doutor em cardiologia pela Universidade de São Paulo/Instituto do coração (USP/INCOR), pesquisador e escritor. Doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Médico pesquisador no Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da USP (InCor/FMUSP).


Você já ouviu falar em valvopatia? Doença que afeta o coração pode ser detectada pelo ecocardiograma

A valvopatia é uma doença pouco conhecida da maioria da população e que altera o funcionamento normal das valvas do coração. Imagine uma cena no Velho Oeste, com aquelas portas de saloon que se abrem e fecham de forma coordenada. Imaginou? Pois bem, as portas dos antigos bares dos filmes de faroeste norte-americano nos ajudam a entender um pouco sobre valvopatia.

Valvas são estruturas (portas) que permitem a passagem do sangue de uma câmara para outra. Elas abrem e fecham em momentos adequados e sincronizados (como as portas de saloon) e, assim, deixam o sangue passar e não retornar.

A valvopatia pode ocorrer em qualquer uma das quatro valvas do coração, mitral, tricúspide, aórtica e pulmonar, que abrem e fecham a cada batimento cardíaco, permitindo que o coração bombeie sangue para todo o corpo. Essa doença pode estar presente desde o nascimento do indivíduo, sendo chamada de valvopatia congênita, ou surgir ao longo da vida.

Dentre fatores diversos que causam a valvopatia, estão: febre reumática; endocardite, que é um tipo de infecção no coração; degeneração das valvas; calcificação das valvas; doença inflamatória sistêmica; doença nas artérias do coração ou infarto; doenças no músculo do coração; arritmia; aneurisma da artéria aorta; sífilis; pressão alta; colesterol alto; diabetes. Conforme a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), a febre reumática é responsável por 70% dos casos de doenças valvares no país.

Uma valvopatia pode não causar sintomas por muitos anos, no entanto, pode piorar lentamente ao longo da vida, devido à dificuldade do coração para bombear o sangue para o corpo de forma adequada. Com o tempo, essa falha ocasiona vários sintomas, como dor no peito; falta de ar; inchaço nas pernas, tornozelos ou pés; cansaço excessivo e constante; fraqueza; tonturas; palpitações cardíacas; inchaço excessivo na barriga; falta de ar durante esforço físico ou quando deitado; sensação de barulho no coração (sopro).

É necessário lembrar que os sintomas nem sempre estão relacionados à gravidade da doença, pois algumas pessoas podem ter valvopatia grave e não apresentar sintomas. Por isso é importante consultar um cardiologista sempre que surgirem os sinais e sintomas aqui citados. Caso seja possível, durante a consulta será confirmado o diagnóstico e iniciado o tratamento o mais rápido possível.

Diagnóstico é feito com exame físico e ecocardiograma

O diagnóstico da valvopatia hoje é feito por meio do exame físico suplementado pelo ecocardiograma (ultrassonografia cardíaca). Já a indicação de cirurgia vai depender da gravidade da doença e dos sintomas, com o objetivo será proteger o músculo cardíaco de mais danos, diminuir os sintomas ou reparar a válvula.

Em relação ao público acometido por valvopatias, os casos são crescentes na população geriátrica. Em geral, os idosos realizam poucas atividades físicas ou são sedentários. Atualmente, também há aumento de pacientes portadores de miocardiopatias, que é uma doença que afeta o músculo do coração devido entupimento nas artérias do coração, hipertensão, álcool e drogas etc.

No tratamento da valvopatia, algumas medidas são muito importantes, como: evitar fumar; manter o peso saudável; manter os níveis de glicose no sangue controlados e fazer o tratamento do diabetes; controlar o colesterol e a pressão arterial; evitar bebidas alcoólicas e cafeína; não usar drogas como cocaína ou anfetaminas; fazer exercícios físicos recomendados pelo médico; dormir pelo menos oito horas por noite. Além disso, o indivíduo precisa fazer acompanhamento com o cardiologista que também deve lhe recomendar uma dieta equilibrada, pobre em gorduras, açúcar ou sal.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.