Valdiney Gouveia defende retorno das aulas e diz que prejuízo pode ser maior com retardamento

O reitor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Valdiney Gouveia, defendeu nesta quarta-feira (21) o retorno das aulas presenciais, sob risco de mais prejuízos para os alunos. “Os prejuízos já existem, cabendo-nos avaliar sua extensão, o que poderá ser ainda maior se retardarmos o retorno às aulas presenciais ou, pelo menos, híbridas”, declarou ao comentar o pronunciamento do ministro da Educação, Milton Ribeiro, defendendo o retorno das aulas.

“A volta às aulas é um tema sério que devemos nos preocupar. São milhares de pessoas em ensino remoto e outras tantas prejudicadas por não terem acesso aos meios para estudar”, acrescentou o reitor.

Segundo Valdiney Gouveia, a universidade tem se preparado para a retomada das aulas presenciais. “Além disso, as condições na UFPB não são inferiores àquelas encontradas em outros espaços públicos, como estúdios de rádio e televisão, supermercados, farmácias, bares, restaurantes, parques, hospitais, repartições municipais e estadual etc. Por certo, temos providenciado aferição de temperatura e fornecido álcool 70% nas entradas da Universidade. Poderemos, ainda, maximizar o distanciamento social no que for possível”, ressaltou.

A data do retorno, destacou, não depende do MEC e menos ainda das universidades. “Esta competência foi delegada pelo STF aos governantes municipais e estadual. Portanto, considerando a natureza da UFPB, contando com múltiplos campi, quem está autorizado a determinar o retorno às aulas é o governador. Havendo determinação do governador, pautaremos no Consuni e definiremos nossas próximas ações”, afirmou.

1 comentário

  • Estevao
    10:28

    A decisão da UFPB depende do Conselho Superior da Universidade e este avalia o quadro e decide por meio de resolução com validade semestral e que organiza o funcionamento da universidade. Ou seja, para este ano o que vale é o ensino remoto. Apenas uma outra resolução do Conselho Superior que pode alterar isso.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.