Trócolli pede agilidade na dragagem do Porto de Cabedelo

O presidente do Comitê em Defesa do Porto de Cabedelo e do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado da Paraíba, Márcio Madruga, se reuniu com administração do Porto de Cabedelo, Governo do Estado e também com deputado estadual Trócolli Júnior (PSD), na manhã desta sexta-feira (13) para tentar agilizar a conclusão da dragagem do Porto.

O objetivo da reunião é aumentar a capacidade de operacionalização do porto e assim, assegurar a retomada do desenvolvimento do Estado. Márcio Madruga enfatizou a necessidade de aprofundar o calado do Porto que hoje é de 9 metros para 11 metros. Segundo ele, há 30 anos que a unidade não recebe melhorias.

O deputado Trócolli afirmou que o Porto de Cabedelo hoje ocupa importante papel na economia do Estado, pois movimenta vários setores, e por isso, precisa ser modernizado. “A chave do desenvolvimento da Paraíba está em Cabedelo”, salientou Trócolli.

A obra está 92% concluída, restando apenas 8%. No mês de agosto há cinco meses, o deputado estadual Trócolli Júnior esteve junto como senador Vital Farias (PMDB) em Brasília para uma reunião com o Ministro Leônidas Cristino, da Secretaria Especial de Porto para agilizar a dragagem.

Para o presidente do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado, Márcio Madruga, há mais de 30 anos o porto não tem dragagem. “Cabedelo há 25 anos não tem dragagem. Com a conclusão podemos transportar cerca de 20 mil toneladas a mais no mesmo navio. A dragagem do Porto é uma obra fundamental para a Paraíba”, enfatizou Márcio Madruga.

A reunião aconteceu na sede do sindicato dos Estivadores em Cabedelo. O encontro contou com as presenças de lideranças sindicais como Ricardo Tabota, presidente do Sindicato dos Conferentes, entidade que representa 23 sindicatos; Cláudio Januário de Araújo, presidente do Sindicato dos Arrumadores; José Ramos Gomes, presidente do Sindicato Portuário; Vagner Brekefeld, ex-presidente do Porto, Márcio Madruga, presidente do Comitê em Defesa de Cabedelo.

Dragagem de Cabedelo

Uma dragagem em qualquer porto representa um grande avanço e a abertura de novas possibilidades para o crescimento. No Porto de Cabedelo (PB), não poderia ser diferente: a dragagem tem um significado especial. O Estado foi um dos contemplados pelo Governo Federal com obras desse tipo no Complexo Portuário. O investimento é de R$ 39,6 milhões, do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

O canal de Cabedelo deve ter sua profundidade aumentada para onze metros, o que o tornará apto a receber embarcações de até 40 pés de calado, com cargas de 70 mil toneladas. Esse será um grande ganho para o porto que, hoje, só pode aportar navios de até 30 pés de calado e capacidade máxima de 35 mil toneladas. Essa dragagem deverá tornar Cabedelo mais competitivo entre os portos do Nordeste. Hoje, as embarcações estão exigindo um canal cada vez mais profundo para garantir melhor segurança, manobrabilidade e trafegabilidade.

DRAGAGENS PELO PAÍS

Em dezembro de 2007, o Governo Federal lançou o Programa Nacional de Dragagem (PND) para aprofundar o calado dos portos, com o objetivo de preparar o País para as novas gerações de navios, que ficam cada vez maiores para reduzir o custo do transporte. Inicialmente, 17 terminais seriam contemplados com o Plano. Veja como está à situação em alguns deles:

Porto do Recife (PE): Foi o primeiro a receber obras de dragagem do PND. A obra foi orçada em R$ 31 milhões e fez o calado do porto aumentar dos 8,5 para 11 metros.

Porto de Natal (RN): Em Natal, o investimento é de R$ 30,3 milhões, também da SEP. A obra removerá 2,08 milhões de metros cúbicos e aumentará o calado do porto em dois metros e meio em média, passando dos atuais 10 metros para 12,5 metros.

Porto de Salvador (BA): A dragagem nos berços de atracação, na bacia de evolução e no canal de acesso (parte interna) custou cerca de R$ 6 milhões. Com a obra, o calado mínimo do porto será de 12 metros.

Porto de Aratu (BA): A dragagem de aprofundamento para 15 metros foi orçada em R$ 49 milhões.

Porto de Mucuripe (CE): O Porto deve receber esse ano o valor de R$1,4 milhão para obras que incluem, dragagem, estudos topográficos e de controle de erosão nas praias da capital do Ceará e o monitoramento da qualidade das águas oceânicas e sedimentos. Para dragagem, serão investidos R$ 63,5 milhões e o calado deverá passar de 12 para 14 metros.

Porto de Itaqui (MA): As intervenções no Porto de Itaqui foram reiniciadas no final do ano passado. As obras permitirão ampliar a profundidade dos berços de atracação para 15 metros.

Porto de Vitória (ES): O Espírito Santo deve receber R$ 300 milhões do PAC para obras na área portuária. A dragagem de Barra do Riacho deve custar R$ 78 milhões. Já a dragagem no Porto de Vitória receberá investimentos de R$ 117 milhões. O canal – que opera com -6,5m a -11m, conforme o trecho vai ser aprofundado para -14 metros.

Porto de Santos (SP): A dragagem em Santos começou em fevereiro com o objetivo de aprofundar o canal de navegação do Porto dos 13 metros para 15 metros. A movimentação do Complexo deverá aumentar 30% com a conclusão das obras.

Porto do Rio (RJ): A obra aumentará a profundidade do canal que varia de 9 a 15 metros para até 15,5 metros. O valor do contrato é de R$ 117 milhões.

Porto de Itajaí (SC): Depois das enchentes de 2008, o Porto de Itajaí recebeu uma atenção maior da SEP. Foram retirados escombros e entulhos do canal. A profundidade de calado deverá ser aumentada de 11 para 14 metros. A ampliação irá permitir a chegada de navios com 18 mil toneladas, ou 600 contêineres a mais de carga.

Porto do Rio Grande (RS): Os canais internos e do píer petroleiro até a raiz dos Molhes da Barra (Superporto) tiveram dragagem concluída e passam a ter 16 metros de profundidade. Nos trechos 2 e 1, a profundidade será de 18 metros. A obra conta com investimento de R$ 196 milhões, por parte da Secretaria Especial de Portos, através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.