Torquato não formaliza adiamento e julgamento de Cássio pode ser hoje

O recurso ordinário 449910 impetrado pelos advogados do ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB) pode ser apreciado na noite de hoje no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), contrariando a expectativa do próprio Cássio. É que na semana passada o advogado Torquato Jardim, que entrou no processo a pedido da Coligação Paraíba Unida, solicitou ao representante jurídico de Cássio, Eduardo Alckmin, o adiamento do julgamento por causa de uma viagem que faria ao México. Alckmin concordou, mas a formalização do pedido de adiamento de Torquato acabou não acontecendo e o caso pode ser votado ainda hoje.

Na última sessão, realizada na quinta-feira, o caso não chegou a ser votado por causa da ausência do ministro Marcelo Ribeiro e pela declaração de suspeição dos dois ministros substitutos da Corte, Joel Dias e Henrique Neves, que já haviam atuado em processo contra Cássio.

Mais votado na eleição para o Senado, com 1.004.183 votos, Cássio Cunha Lima teve seu pedido de registro de candidatura negado pelo TRE da Paraíba e foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa, por ter tido o mandato cassado em fevereiro de 2009. A defesa, contudo, alega que o período de punição de Cássio, com a decretação de sua inelegibilidade de 2006 a 2009, já expirou. Recentemente, Ronaldo Lessa, cuja inelegibilidade também havia cessado antes da sanção da Lei da Ficha Limpa, foi absolvido e teve a candidatura homologada pelo TSE.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.