Taxa de desemprego dispara e atinge 13, 7 milhões

A volta dos brasileiros às ruas já começa a pressionar a taxa de desemprego, que na quarta semana de agosto bateu 14,3%, o maior nível desde o início da pandemia. São, ao todo, 13,7 milhões de desempregados, informou nesta sexta (18) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os dados são da pesquisa Pnad Covid, que busca identificar os efeitos da pandemia no mercado de trabalho, e não devem ser comparados com a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar) Contínua, que mede a taxa oficial de desemprego do país.

Mas apontam tendências sobre o crescimento do desemprego no país. No segundo trimestre, a Pnad Contínua trouxe uma taxa de desemprego de 13,3%, a maior para o período desde que a pesquisa começou a ser feita no formato atual, em 2012.

De acordo com o IBGE, o número de pessoas em busca de emprego cresceu 1,1 milhão na quarta semana de agosto, em relação à semana anterior, o que explica a pressão sobre a taxa de desemprego — o indicador considera apenas as pessoas que disseram ter ido atrás de uma vaga no período pesquisado.

No início da pandemia, com a população em isolamento e o comércio fechado na maior parte do país, a taxa de desemprego era de 10,5%, já que menos gente se dispôs a sair em busca de emprego.

“O mercado de trabalho estava em ritmo de espera para ver como as coisas iam se desenrolar. As empresas estavam fechadas e não tinha local onde essas pessoas pudessem trabalhar”, diz a coordenadora da pesquisa, Maria Lúcia Vieira. “À medida que o distanciamento social vai sendo afrouxado, elas vão retornando ao mercado de trabalho em busca de atividades.”

A pesquisa do IBGE constatou que, com a reabertura da economia, o número de pessoas que dizem respeitar isolamento de forma rigorosa caiu pela segunda semana seguida. Na última semana de agosto, foram 38,9 milhões, queda de 6,5% em relação à semana anterior.

Para a coordenadora da pesquisa, há relação direta entre o aumento das pessoas em busca de trabalho e a flexibilização do isolamento social. “A gente está vendo uma maior flexibilidade das pessoas, uma maior locomoção em relação ao mercado de trabalho, pressionando o mercado de trabalho, buscando emprego”, afirma.

Com a reabertura das lojas, indústria, comércio e serviços começaram a reagir ao tombo inicial da pandemia. Os dois primeiros já acumulam três meses de alta consecutiva. O último reage de forma mais lenta, mas chegou ao segundo mês de alta.

Segmentos industriais que tiveram grandes demissões no início da pandemia, como têxtil e calçadista, começaram a repor empregados diante do aumento das encomendas. Em julho, o país teve um saldo positivo de 131 mil empregos formais gerados.

Segundo o IBGE, porém, ainda são 74,4 milhões de pessoas fora da força de trabalho, aqueles que não têm emprego e não saíram para procurar. Isso indica que a taxa de desemprego deve ser ainda mais pressionada nos próximos meses, quando parte desse contingente voltar a buscar uma vaga.

Destes, 26,7 milhões disseram que gostariam de trabalhar. Para economistas, sem a queda no número de brasileiros que procuravam emprego, a taxa real de desemprego hoje giraria em torno de 20%.

 

Folha de S. Paulo

 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.