Allysson Teotonio

Jornalista, publicitário e fotógrafo


Silêncio no purgatório

Mais de 264 mil pessoas morreram no Brasil em um ano de pandemia, até domingo. “Chega de frescura e de mimimi”, disse o presidente Bolsonaro na semana passada, friamente.

Não há vacinas para todos, e o governo federal é o grande culpado por isso. Milhares morrerão. São 14 milhões de desempregados, economia destroçada, UTIs lotadas, sistema de saúde à beira de um colapso, brasileiros passando fome sem auxílio emergencial.

Dólar nas alturas, a R$ 5,69 na cotação até domingo. Petrobras já aumentou 6 vezes o preço da gasolina neste ano. Mas, apesar de tudo isso, ouvimos o silêncio dos patriotas.

Desespero e gritaria

Fachin anula condenações de Lula referentes a processos da Lava Jato. Avaliou que casos da Petrobras não são da competência da Vara Federal de Curitiba, e os processos serão reiniciados na justiça do Distrito Federal. Os patriotas rompem o silêncio. Gritaria e desespero.

A decisão torna Lula, a princípio, elegível. Mas não o inocenta. Muita água ainda vai correr embaixo da ponte. Tudo pode acontecer, inclusive nada. A justiça federal do DF poderá validar as condenações de Curitiba. Aí Lula volta a ficar inelegível. E nada muda no tabuleiro. E ainda existem vários fatores imprevisíveis até a eleição de 2022. Em suma, a decisão tardia de Fachin parece que não foi para salvar Lula, mas para livrar Moro e sua trupe da Lava Jato do processo de suspeição no caso das mensagens vazadas.

Dólar aumenta 8 centavos após decisão do ministro do STF, na segunda. Mais 1000 brasileiros morreram com COVID-19 do domingo pra segunda. Mas a reação dos patriotas é mais ou menos assim: “Meu Deus, agora o PT acaba de vez com o Brasil, o demônio vai voltar”.

Os seguidores mais ingênuos de Bolsonaro estão desesperados, gritando, alguns até já pedem golpe militar, mas o presidente está feliz com essa decisão de Fachin. Afinal, o antipetismo o elegeu. Eu conto ou vocês contam isso pra eles?

Crença na salvação

Quem prometeu o céu, até agora, só entregou o inferno e, por incrível que pareça, mesmo diante da tragédia atual, das labaredas ardentes ao redor de todos, muitos ainda creem no mito da salvação. É inacreditável.

O que está em jogo, portanto, não é o amor à pátria coisa nenhuma. É o ódio a Lula.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.