Raissa propõe aplauso a Michele e Marcos cita “81 besteiras” de Bolsonaro

A manhã de hoje registrou dois momentos distintos de manifestações pró e contra o governo de Jair Bolsonaro (PSL) na Câmara de João Pessoa. O vereador Lucas de Brito (PV) parabenizou o governo federal pelo anúncio de pensão vitalícia para crianças diagnosticadas com microcefalia decorrente do vírus Zika. Autor da lei que pune quem favorece o desenvolvimento do mosquito em João Pessoa, o parlamentar salientou que “o surto da doença que houve no país afetou o desenvolvimento de várias crianças”, inclusive, na Paraíba.

“O governo anterior havia estendido o BPC para as crianças, mas este só poderia ser recebido caso não houvesse vínculos empregatícios. A partir desta Medida Provisória, as crianças receberão o benefício mesmo que os pais arrumem emprego”, explicou Lucas. A MP editada pelo governo assegura pensão especial por toda a vida para crianças vítimas de microcefalia para quem nasceu entre 2015 e 2018, e cuja família receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC) – auxílio no valor de 1 (um) salário-mínimo concedido a pessoas de baixa renda. A decisão vai beneficiar 3.112 crianças com microcefalia no Brasil.

Também por causa dessa MP, a vereadora Raissa Lacerda (PSD) apresentou um Voto de Aplauso à primeira dama do Brasil, Michelle Bolsonaro, que participou da solenidade na qual o presidente fez o anúncip no dia de ontem. A honraria foi justificada pelo trabalho na área de assistência social. A vereadora também parabenizou o presidente Jair Bolsonaro por ter assinado a Medida Provisória.

81 besteiras – Do lado da oposição, o vereador Marcos Henriques, do PT, disse que o presidente cometeu 81 vaciladas desde que chegou ao cargo em janeiro, o que corresponde a uma média de “um vacilo a cada 10 dias”.

“O presidente Jair Bolsonaro (PSL) agrediu o primeiro ministro da França, Emmanuel Macron, e sua esposa, Brigitte Macron, chamando-o de franga e ela de dragão. Esse presidente fala o que quer, sempre de maneira irresponsável. Agora ataca o pai da ex-presidente do Chile, Michelle Bachelete, lembrando da morte dele. Isso é muito ruim, tensiona nosso país com o mundo e chega a diminuir a nossa balança comercial, que era de R$ 113 bilhões e caiu para R$ 111 bilhões. Já perdemos R$ 2 bilhões em um ano. Este Governo vai afundar nosso país”, comentou o vereador.

Marcos Henriques elencou algumas ações e atitudes de membros do Governo Federal que considerou vaciladas, “por não encontrar termo melhor”. Entre o que avaliou como vaciladas, o vereador destacou: a mulher de ministro das Relações Exteriores pegou carona em avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para passar férias em Paris, na França; o ministro da Educação, Abraham Weintraub, escreveu duas vezes a palavra “paralisação” usando a letra “z” em ofício endereçado ao ministro da Economia, Paulo Guedes, além de chamar Macron de cretino em sua conta oficial no Twitter; o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP), filho do presidente e postulante ao cargo de embaixador nos Estados Unidos, em seu Twitter, chamou Macron de idiota; o Ministério da Educação (MEC) fez novos cortes e não irá financiar nenhum novo pesquisador este ano.

“Acho que essa família e este Governo sentem prazer em agredir as Nações. Cada dia fico mais indignado com os desmandos deste Governo Federal, que nos envergonha diante das outras Nações. São R$ 926 milhões cortados da Educação para pagar emendas de parlamentares que votaram a favor da reforma da previdência. As universidades vão passar por momentos de recessão, não haverá dinheiro nem para pagar a água”, ressaltou.

O vereador ressaltou que o presidente Jair Bolsonaro chamou de “herói nacional” o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que chefiou o Destacamento de Operações de Informações (DOI-CODI) em São Paulo e ficou conhecido como um dos maiores torturadores da ditadura.

O parlamentar ainda destacou que, após se desentender com o presidente da República, o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inep), Ricardo Magnus Osório Galvão, foi exonerado. Bolsonaro acusou o Inep de mentir sobre dados do desmatamento e agir a serviço de alguma organização não governamental.

“Ele exonerou uma das maiores autoridades na área. Os dados apresentados pelo Inpe são verdadeiros. Esse presidente defende a ação de grileiros e latifundiários que vão devastar nossa Amazônia, que, em seu dia, não tem nada a celebrar. Ele nega o aquecimento global e diz que ecologia é coisa de vegano, que só come mato. Ainda disse que o programa ‘Mais Médicos’, que atendeu milhões de pessoas em nosso país, era um grupo guerrilha. Tudo na visão desse Governo que pratica uma política de exclusão social”, lamentou.

Raissa propõe aplauso a Michele e Marcos cita “81 besteiras” de Bolsonaro

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.