Onivaldo Júnior

Onivaldo Júnior é formado em Jornalismo e Música pela Universidade Federal da Paraíba, com mestrado em Educação Musical também pela UFPB. Professor particular de canto, professor de Artes em duas escolas do Município de João Pessoa e maestro do Mosaico Coral.


Que nem raparigas de Chico

O público que estava presente na noite do dia 16/02 no Bar do Baiano, nos Bancários, em João Pessoa, presenciou algo que foi anunciado como atração artística, mas acabou sendo visto como show de horrores. A prévia do bloco Raparigas de Chico, em homenagem ao cantor e compositor Chico Buarque, teve problemas estruturais que categorizaram a festa em algo entre o fraco e o sofrível.

O primeiro grupo anunciado para se apresentar foi o Mosaico Coral, que, este ano, resgata arranjos criados em 2016 para sambas de Chico Buarque. Por estar preparando um espetáculo teatral inspirado no compositor, a diretoria do coral procurou a organização do bloco Raparigas de Chico para se apresentar no evento e divulgar seu trabalho. Antes não tivessem ido.

Quem trabalha com canto coral sabe que é uma das práticas musicais mais complexas, porque depende, necessariamente, de um processo coletivo de musicalização. Talvez, por essa mesma complexidade, seja tão difícil sonorizar um coro em eventos públicos, principalmente quando acontecem em ambientes abertos. Os microfones, além de uma boa captação, precisam estar muito bem equalizados, sob risco de priorizar um naipe em detrimento de outro, prejudicar o entendimento da letra que está sendo cantada ou, em outro lado, priorizar apenas os timbres mais agudos com um som mal organizado.

Um arranjador musical passa horas escrevendo melodias, pensando nas harmonias, condução das vozes, ritmos, ornamentos e dinâmicas. Um regente passa semanas ensaiando, ajustando os timbres, passando segurança para os naipes, buscando aliar técnica vocal e interpretação num trabalho coletivo envolvendo mais de 40 pessoas. Mas bastaram poucos minutos de um equipamento de som mal gerido para desqualificar todo o trabalho do coro, cujo profissionalismo faz com que o grupo seja convidado para se apresentar em festivais dentro e fora da Paraíba, mostrando versatilidade estilística e cuidado com os aspectos vocais e musicais dos cantores.

Se no Brasil, a maioria dos corais são amadores (no sentido de não cobrarem cachês por apresentações, fazendo o trabalho quase sempre de forma voluntária e por amor à arte), o mínimo que se podia esperar de quem convida um coro a se apresentar (ou, no caso, de quem aceita um pedido de um coral para se apresentar) é recebê-lo com respeito e reconhecimento. Mas, nos tempos atuais, o respeito à arte e aos artistas anda meio em falta. Os espaços para apresentações desta natureza são no improviso, de qualquer jeito, sem o cuidado que um músico desta natureza mereceria.

Tão logo aconteceu a tentativa de apresentação… melhor dizendo: tão logo o Mosaico Coral saiu do palco, o som, milagrosamente, passou a operar em perfeito estado, sem nenhuma falha, microfonia ou desajuste entre o som dos instrumentos e vozes. O segundo grupo da noite, o Coral Voz Ativa, sob a competentíssima batuta do maestro Luiz Carlos Otávio, não viu dificuldade alguma em se apresentar e se fazer entender pela platéia. Fico feliz que este coral, cujo legado é respeitadíssimo na capital paraibana, não tenha sofrido nenhum infortúnio em sua apresentação. Mas já tomei conhecimento que outros artistas, posteriormente, tiveram dissabores em suas performances graças a uma sonorização barata que saiu cara.

Não vou insinuar que houve sabotagem, pois não havia motivos para tal. Mas afirmo, categoricamente, que houve descaso da direção do bloco (e principalmente, da empresa que assinou a sonorização) com os artistas, sobretudo o Mosaico Coral, que foi, nitidamente, desrespeitado em seu propósito artístico.

O Mosaico já decidiu que não participará do bloco Raparigas de Chico, no dia 2 de março (sábado de Carnaval), uma vez que se sentiu tratado sem nenhum respeito, sem, sequer, um pedido de desculpas pelos organizadores do bloco depois de vergonhosa apresentação (repito: não por incompetência do coro!). Os cantores se sentiram “página virada, descartada do folhetim”.

Se sentiram raparigas de Chico, mas, infelizmente, no sentido pejorativo do termo.

8 comentários

  • Célia
    14:37

    Sinceramente maestro onivaldo, vcs chegaram quase na hora de se apresentar, isso sim é desrespeito. Não passaram o som, não sabiam qtos microfones estavam disponibilizados, enfim …
    Infelizmente, é fato, o som não é dos melhores, a organização do bloco ainda não tem o seu “engenheiro de som” mas sem arrogância vcs bem q poderiam ter chegado um pouco mais cedo pra checar essas coisas.

    Seja humilde. Saiba reconhecer as limitações, de QQ ordem.

    O som não melhorou com o Grupo Voz Ativa. A diferença é que todas as canções foram em uníssono e como tinha uns 20 cantantes, ganhou volume ficando a sensação de melhora.
    Com todo respeito ao seu trabalho, vc foi irresponsável ao dizer q foi sabotagem.
    #respeito
    #naofoisabotagem
    #vivaasraparigasdechico

    • Onivaldo Júnior
      14:37

      O texto diz, claramente, que não há motivos para sabotagem, logo, não o foi. E não acusa nem o Voz Ativa (coral que admiro e respeito) nem o bloco em si, que é incrível e continuará na minha admiração.

      As pessoas precisam entender que o destinatário da mensagem era a empresa de sonorização (essa, sim, merece meu repúdio), mas não podia deixar de cobrar uma co-responsabilidade da comissão organizadora do bloco, que é mais do que reconhecido e admirado.

      Do jeito como estão reagindo, parece que estão me culpando por não ter ficado satisfeito com aquela apresentação, que todo mundo viu que foi ruim. Do mesmo jeito como culpabilizam a vítima que sofre uma violência. Com todo respeito, mas não é por aí!

      Menos celeuma, menos ataque ao autor, e mais foco no aprendizado com os erros… a crítica foi pra que dissabores como esse não voltassem a acontecer.

  • Geovanna dos Santos Soares Silva
    14:37

    Gente!! Está bem claro e óbvio!! Não precisa entender bem de música, mas estar atento aos arredores, ouvidos e olhos bem aguçados!! Tudo mudou!! Microfones, volume de som…….tudo!! Por favor kkkk façam mil favores ……. O Mosaico tinha uma apresentação certamente cabível ao ambiente, à altura. Quem já os assistiu sabe.
    São espetaculares!!

  • Wilma Honorato de Aragão Brandão
    14:37

    Infelizmente perdi a apresentação dos dois corais, o Mosaico e o Voz Ativa, embora conheça-os de outras apresentações- e são belos, Quero registrar que assisti as apresentações do Yuri&banda , como tbem da Orquestra Sanhaúa – e foram apresentações belíssimas, o Som estava ótimo e EU não estava próxima do palgo, diga-se de passagem. Entendo que na primeira apresentação o Som está sendo semi-testado, por isso é necessário o ajuste-passada de som- antecipada. Porém, faço questão de Registrar a presença do Coral Voz Ativa em vários movimentos populares- apenas com o Maestro Luis Carlos e seu violão- e Eles São Formidáveis, se fazem Ouvir maravilhosamente. Estão acostumados com Som ou Não. Muito me magoou a sugestão de “sabotagem ” sugerida pelo Maestro do Coral Mosaico, embora eu concorde que o equipamento de Som já teria que estar pronto e ajustado desde a primeira apresentação- que foi a dele. Não me queiram mal, mas vamos deixar o “ÓDIO ” para os que tem ÓDIO, e este não é o caso deste Coral que admiro de coração, o Mosaico.

  • Margarida Santos
    14:37

    Fui pela primeira vez ao encontro das Raparigas de Chico, e fiquei decepcionada quando queria escutar as músicas do Chico… Iniciou com o som péssimo e o coral realmente foi prejudicado… No segundo coral , eu pensei que tinham mudado de som e pra quem estivesse de frente a apresentação não tiveram dificuldade em aplaudir o coral… Mas o cantor seguinte não parava de dizer que estava sofrendo horrores com choques !! Afffff saí dali depressa… Pra não presenciar tamanho desrespeito com os artistas paraibanos!!!

  • Samara
    14:37

    Foi realmente uma pena que não pudemos apreciar a apresentação do Coral. Mas esse problema com o som no Bloco não é de hoje. Não sou nenhuma expert no assunto e percebo o quão amador é o som deles todos os anos. Obrigada ao Coral pela tentativa de nos mostrar seu belo trabalho!

  • Verônica Oliveira
    14:37

    Caro Onivaldo Jr., antes de mais nada quero deixar claro que não sou da organização do Bloco, mas preciso fazer algumas ponderações a sua matéria, q o mim , mesmo compreendendo sua insatisfação, me parece um tanto quando maldosa… Primeiro , cheguei bem cedo lá pois queria assistir a apresentação do Coral Mosaico, que seria as 18 hs. , Sendo assim , como em todas as apresentações, inclusive do Voz Ativa q foi logo após, se leva um tempo para acertar o som, para isso alguém ou algumas pessoas do grupo precisam chegar antecipadamente para tal feito… Isso não aconteceu não é mesmo… Outra coisa, acredito que deva ser lindíssima a apresentação do Coral Mosaico em um Teatro ou local fechado, onde as pessoas silenciam e sintam a beleza de cada voz… Realmente acredito que mesmo se o som estivesse bom isso não seria possível. Quando me referi a uma forma maldosa em sua matéria, ela se dá exatamente quando vc coloca :”Tão logo aconteceu a tentativa de apresentação… melhor dizendo: tão logo o Mosaico Coral saiu do palco, o som, milagrosamente, passou a operar em perfeito estado, sem nenhuma falha, microfonia ou desajuste entre o som dos instrumentos e vozes.” Mesmo logo no próximo parágrafo coloque q não está querendo dizer que houve sabotagem, vc insinua claramente isto. Quero ainda dizer que acho acertada a decisão de não se apresentarem no dia 02/03, mas não colocando como justificativa o q aconteceu ontem , onde qualquer artista q fosse se apresentar poderia vivenciar, mas sim por ter reconhecido q o Coral Mosaico não tem o perfil para cantar em um espaço aberto sem uma sonoplastia de orquestra sinfônica … E só para terminar , respeite as raparigas, pois mesmo tendo muito orgulho de colocar uma rosa vermelha no cabelo e numa noite de alegria incorporar se uma rapariga de Chico, acredito que as raparigas sejam de José, João, Severino ou Joaquim, não devam ser usadas na forma pejorativa. A prévia do Bloco As Raparigas de Chico foi simplesmente maravilhosa, e garanto que todos e todas q ali estavam sabem da qualidade do Coral Mosaico e compreendeu o q aconteceu.

  • Elza Maria de Almeida Oliveira
    14:37

    Como componente do Mosaico Coral,vc nos contemplou e representou com essa matéria.Obrigada maestro,pois gerou um grande mal estar todo esse episódio..

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.