Preso na Operação Famintos, Renan Maracajá tira licença de 15 dias da Câmara de Campina Grande

O vereador Renan Maracajá (PSDB) pediu licença da Câmara Municipal de Campina Grande por um período de 15 dias. O parlamentar está preso desde a última quinta-feira (22), quando foi detido durante a segunda fase da Operação Famintos, deflagrada pela Polícia Federal com o objetivo combater fraudes em licitações, superfaturamento de contratos administrativos, corrupção e organização criminosa.

A primeira fase da Operação FAMINTOS foi deflagrada no dia 24/7/2019, tendo contado com a participação de 260 (duzentos e sessenta) Policiais Federais e 16 (dezesseis) Auditores da CGU, Na ocasião, foram cumpridos 67 (sessenta e sete) mandados de busca e apreensão em órgãos públicos e nas residências, escritórios e empresas dos investigados, bem como de 17 (dezessete) mandados de prisão.

Na segunda etapa, a Operação FAMINTOS visou ampliar a desarticulação do núcleo empresarial da organização criminosa, responsável pela criação de “empresas de fachada”, utilizando-se de pessoas que tinham consciência de suas situações na condição de “laranjas”.

As empresas, então constituídas em nome de pessoas que não eram as reais proprietárias e administradoras, eram utilizadas pelos criminosos para fraudar as licitações, conferindo um falso caráter competitivo aos processos licitatórios.

 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.