Polícia já recapturou mais de 50% dos fugitivos do PB1; Veja vídeos e imagens

Mais de 50% dos fugitivos do PB1 já foram recapturados pela polícia, totalizando 48 detentos de volta às celas. A informação foi prestada pelo secretário de Segurança Cláudio Lima durante coletiva de imprensa no final da tarde de hoje, onde foram atualizados os números de fugitivos recapturados e apresentados o grupo preso na tarde de hoje em um flat na orla de Manaíra.

Dez Pessoas foram presas na tarde desta segunda-feira (10) entre eles cinco homens, suspeitos de participarem do ataque ao PB1 que resultou na fuga de 92 detentos. Eles estavam hospedados em um flat localizado em Manaíra, na Avenida João Maurício, quando foram presos. (Veja abaixo vídeo da ação da polícia na orla)

Os dez foram apresentados no final da tarde de hoje durante coletiva de imprensa das forças de segurança pública do estado.

Também foram apresentadas as armas que foram apreendidas com o grupo, seis armas, entre elas um fuzil, que teriam sido utilizados no ataque ao PB1.

Durante todo o dia mais de 1.000 policiais militares e civis participaram das ações relativas à recaptura de detentos foragidos. Vídeos gravados pela população mostram a ação da polícia na captura dos fugitivos em alguns pontos da cidade, a exemplo de Manaíra, onde três fugitivos foram recapturados pela polícia Civil em um terreno vizinho a um edifício, na rua Francisco Claudino Pereira com a Edson Ramalho.

O secretário Cláudio Lima disse que as ações da polícia vão continuar, com homens nas ruas para recapturar os fugitivos e garantir a segurança da população.

Uma recontagem realizada durante toda a manhã e divulgada no início da tarde desta segunda-feira apontou que o número de presos foragidos da Penitenciária de Segurança Máxima Dr. Romeu Gonçalves de Abrantes – PB1 e PB2 é 92 e não 105 como fora anunciado no início da manhã.

De acordo com o tenente coronel Sérgio Fonseca de Souza, secretário de Administração Penitenciária do Estado, a ação criminosa teve como alvo o resgate dos detentos Romário Gomes da Silveira, conhecido como ‘Romarinho’, Ivanilson Pereira de Macedo e Antônio Arcênio de Andrade Neto, todos suspeitos de assalto e explosão a carro-forte e presos pela Polícia Militar da Paraíba no dia 6 de agosto deste ano, na cidade de Lucena.

“O que aconteceu no PB 1 foi uma ação pontual. O objetivo principal foi resgatar Romarinho, chefe do grupo criminoso. A incursão dos homens que efetuaram o resgate na unidade prisional aconteceu com uso de armamento de calibre restrito, como fuzil 556 e 762 e .50, explosivos, além alicates para retirada dos cadeados que davam acesso à cela, no Pavilhão 2. O preso Livaci Muniz da Silva, também envolvido na ocorrência em Lucena, não foi resgatado”, disse o secretário, reforçando que Romarinho já foi preso duas vezes na Paraíba e será preso novamente.

O tenente coronel Sérgio Fonseca de Souza ainda informou que os alicates utilizados para a fuga de Romário, Ivanilson e Antônio, foram usados por outros presos do PB 1, que violaram cadeados e fugiram a pé pela mata.

O coronel Euller Chaves enfatizou o reforço da Polícia Militar também nas divisas da Paraíba e a articulação com as forças de segurança dos estados de Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará, para localização e recaptura dos detentos. “Desde as primeiras horas, fizemos uma interação permanente e deslocamos efetivo policial a fim de ocupar e saturar pontos estratégicos.

“O que temos a dizer à população é que confie nas suas Polícias. Nós não vamos descansar enquanto não dermos uma resposta eficiente para esse evento. Sabemos que o Brasil todo passa por essa situação e a Paraíba em um período de oito anos não tinha registrado um fato dessa natureza, mas estamos prontos, nas ruas. A apuração está adiantada e o Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil está trabalhando no inquérito policial”, frisou o secretário da Segurança e da Defesa Social, Cláudio Lima.

Os danos causados à unidade prisional já foram sanados, com conserto de dois portões e a substituição dos cadeados violados durante a ação criminosa.

Comentários