Polícia emite alerta de procurado para suspeito de matar Patrícia Roberta

A Polícia Civil da Paraíba emitiu um alerta de “procurado” para o principal suspeito de assassinar a pernambucana Patrícia Roberta Gomes da Silva, de 22 anos. Trata-se de Jonathan Henrique Conceição dos Santos, de 23 anos, que convidou a moça para passar uns dias no apartamento dele em Gramame, João Pessoa. O corpo da moça foi encontrado no início da tarde em uma área de mata no conjunto Novo Geisel. Jonathan e Patrícia teriam se conhecido cerca de 10 anos atrás e apesar do pai da moça, Paulo Roberto, ser contra a amizade dos dois, eles continuaram se falando pela internet e Patrícia viajou para a capital da Paraíba sem que o pai dela soubesse. A jovem contou seu real destino apenas à mãe, Vera Lúcia.

Jonathan escreveu uma mensagem em seu perfil no Facebook dizendo que não estava desaparecido. Mas, ele não foi localizado desde o desaparecimento de Patrícia. Como ele é o principal suspeito do crime, a Polícia Civil pede que a população ligue gratuitamente para o número 197 caso tenha alguma pista sobre a localização do rapaz. As pessoas não precisam se identificar para fazer a denúncia. Em paralelo a isso, foi pedida a prisão preventiva dele à justiça.

O pai de Jonathan contou à polícia que ele é dependente químico e já teria sido internado duas vezes.

A perícia vai dizer qual a causa da morte de Patrícia, mas  foram encontradas fronhas manchadas de sangue no apartamento onde ela ficou hospedada e acredita-se que o crime tenha sido executado por asfixia mecânica. A perita Amanda Melo disse que pelo estado de decomposição do corpo, a hipótese é que a morte tenha acontecido cerca de 48 horas antes.

No local, também foram encontrados um caderno com inscrições macabras como “À noite eu saio para matar mulheres”, além dos nomes de mais de 22 mulheres, entre as quais Patrícia, um livro de magia que estava em uma espécie de altar, além de registros que indicam que o suspeito utilizava a deep web, uma parte da internet que não é indexada pelos mecanismos de busca, como o Google, e portanto fica oculta ao grande público — a internet profunda. Geralmente, a deep web é associada a conteúdo ilegal, como venda de drogas ou diversas outras atividades obscuras, mas a rede não tem só esse tipo de conteúdo.

Por causa do caderno com os nomes das mulheres, a polícia investiga se Jonathan pode estar relacionado a outros crimes.

Desaparecimento – O último contato de Patrícia com a mãe foi feito através de mensagem pelo WhatsApp no último domingo às 12h06. A jovem escreveu que voltaria a Caruaru na companhia de Jonathan que teria comprado as passagens, depois de deixá-la trancada em casa desde a noite anterior. Na madrugada de ontem, o rapaz foi visto saindo do apartamento com um tambor de lixo num carrinho de mão. Seguido por um vizinho, ele se irritou e discutiu com o homem, voltando em seguida para o apartamento, onde saiu de moto para retirar do tonel de lixo um volume grande enrolado em uma espécie de lençol. Câmeras do circuito de segurança de um prédio nas proximidades flagraram o momento em que um homem pilota uma motocicleta levando o que parece ser um corpo enrolado sobre o tanque. O local escolhido para deixar o cadáver foi uma área de mata a cerca de 2 quilômetros de onde o suspeito mora.

O reconhecimento do corpo foi feito por uma prima de Patrícia que ficou em estado de choque ao verificar a tatuagem da moça.

O corpo chegou ao Instituto Médico Legal por volta das 17h e deve ficar em congelamento por 24 horas. Somente na manhã desta quinta-feira é que um exame será realizado para indicar a causa da morte de Patrícia Roberta.

VEJA TAMBÉM

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.