Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

PGR pede condenação de Sergio Moro à prisão

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o senador Sergio Moro (União Brasil-PR) por calúnia que ele teria cometido contra o ministro Gilmar Mendes — a quem acusou de vender habeas corpus.

Na sexta-feira, um vídeo curto do senador e ex-juiz da Lava-Jato viralizou em perfis de esquerda. No trecho, com menos de dez segundos, Moro aparece rindo e fala em “comprar um habeas corpus do (ministro do Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes”.

No trecho, Moro responde a uma voz feminina:

— Não, isso é fiança. Instituto para comprar um habeas corpus do Gilmar Mendes — diz.

Na denúncia, a vice-procuradora-geral da República Lindôra Maria Araújo afirma que Moro cometeu crime de calúnia contra o ministro do STF ao sugerir que o magistrado pratica corrupção passiva. Por isso, Lindôra pede a perda do mandato do senador caso a condenação passe de qautro anos de prisão.

“O denunciado SERGIO FERNANDO MORO emitiu a declaração em público, na presença de várias pessoas, com o conhecimento de que estava sendo gravado por terceiro, o que facilitou a divulgação da afirmação caluniosa, que tomou-se pública em 14 de abril de 2023, ganhando ampla repercussão na imprensa nacional e nas redes sociais da rede mundial de computadores”, diz a PGR.

O órgão também pede que seja fixado um valor mínimo para que Gilmar seja indenizado, “considerando os prejuízos sofridos”.

Ainda segundo a vice-PGR, “ao atribuir falsamente a prática do crime de corrupção passiva ao Ministro do Supremo Tribunal Federal GILMAR FERREIRA MENDES, o denunciando SERGIO FERNANDO MORO agiu com a nítida intenção de macular a imagem e a honra objetiva do ofendido, tentando descredibilizar a sua atuação como magistrado da mais alta Corte do País”.

O crime de calúnia está previsto no Código Penal, e tem previsto como pena detenção, de seis meses a dois anos, e multa. Essa penalidade pode ser aumentada caso a calúnia seja proferida contra funcionário público, em razão de suas funções, ou contra os Presidentes do Senado Federal, da Câmara dos Deputados ou do Supremo Tribunal Federal. Além disso, pode ser agravada caso ocorra na presença de várias pessoas, ou por meio que facilite a divulgação da calúnia, da difamação ou da injúria.

Em nota publicada após a divulgação do vídeo, a assessoria de Moro afirmou que a fala “foi retirada de contexto, tanto que foi divulgado só um fragmento, e não contém nenhuma acusação contra ninguém”.

 

 

O Globo Online

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

‘Festa da Adoção’ tenta aproximar crianças e adolescentes de pessoas aptas a adotar

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Anteriores

edsonfachin

Ministro do STF decide arquivar ação contra reeleição antecipada de Adriano Galdino

Sodiê

Governo da Paraíba dispensa emissão de documentos fiscais em mercadorias doadas ao RS

lovina

MPF intervém e Prefeitura de Cabedelo demole obra ilegal de contenção marítima do Lovina

chuvasrs (1)

Com chuva forte, água sobe pelos bueiros e volta a inundar ruas em Porto Alegre

1af1367b-89e5-4e87-ae7e-586266147ed4

Paraíba participa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite a partir de segunda

tourinho1 (1)

APCA homenageia imprensa da Paraíba com a Comenda Acadêmico Mário Tourinho

Poste, batida

Paraíba registra 242 colisões em postes este ano; João Pessoa e Campina lideram

Lixão a céu aberto

Prefeitura de Catolé do Rocha deve pagar indenização por lixão a céu aberto

Luciano Cartaxo 3

Luciano Cartaxo tem alta e deixa hospital em João Pessoa

PF operação

Operação da PF mira empresas clandestinas de segurança privada