Óleo que atinge praias do Nordeste, incluindo a Paraíba, não é do Brasil, diz Ibama

As manchas negras que têm aparecido em praias do Nordeste desde o início de setembro já atingiram 99 locais em 46 municípios de 8 estados, de acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

Uma investigação do órgão aponta que o óleo que está poluindo as praias têm a mesma origem, mas ainda não é possível afirmar de onde ele viria. Segundo a Petrobras, trata-se de óleo cru, que não é produzido no Brasil.

Confira os locais atingidos em cada estado, segundo o Ibama:

Alagoas: 12 locais
Ceará: 6 locais
Maranhão: 9 locais
Paraíba: 16 locais
Pernambuco: 16 locais
Rio Grande do Norte: 46 locais
Sergipe: 4 locais

Animais afetados
O óleo já atingiu ao menos nove tartarugas e uma ave bobo-pequeno ou furabucho (Puffinus puffinus), conhecida pela longa migração. Segundo o Ibama, uma das tartarugas foi devolvida ao mar e outra foi encaminhada a um centro de reabilitação. Sete tartarugas foram encontradas mortas ou morreram após o resgate. A ave também não resistiu ao óleo.

Confira abaixo a lista:

1/9 – 1 tartaruga marinha – Praia de Sabiaguaba, Fortaleza (CE) – morta

4/9 – 2 tartarugas marinhas – Praia do Paiva, Cabo de Santo Agostinho (PE) – morta

7/9 – 1 ave bobo pequeno – Praia de Cumbuco, Caucaia (CE) – morta

11/9 – 1 tartaruga marinha – Praia de Jacumã, Ceará-Mirim (RN) – viva

16/9 – 1 tartaruga marinha – Ilha dos Poldos, Aroises (MA) – morta

22/9 – 1 tartaruga marinha – Praia de Itatinga, Alcântara (RN) – viva

22/9 – 1 tartaruga marinha – Praia da Redinha Nova, Extremoz (RN) – morta

23/9 – 1 tartaruga marinha – Praia da Redinha Nova, Extremoz (RN) – viva

24/9 – 1 tartaruga marinha – Jericoacoara, Jijoca de Jericoacoara (RN) – morta

“Um dos pontos que chamam mais a atenção neste caso é a fragilidade do sistema de fiscalização e monitoramento da costa, que está enfraquecido. Isso traz graves consequências e um dos reflexos são as manchas de óleo, que ninguém sabe de onde vem. Se tivéssemos fiscalização marinha, isso não aconteceria”, afirma Anna Carolina Lobo, gerente dos programas Marinho e Mata Atlântica do WWF-Brasil.

Nas redes sociais é possível ver moradores compartilhando vídeos e fotos dos bichos cobertos por óleo negro. A recomendação do Ibama é que, nestes casos, a população acione os órgãos ambientais competentes para que os animais sejam avaliados antes de devolvidos ao mar.

Até o momento, não há sinais de que peixes e crustáceos estejam contaminados, de acordo com o Ibama, mas o instituto recomenda que banhistas e pescadores não tenham contato com o óleo.

O Ibama pediu apoio à Petrobras para fazer a limpeza das praias e a empresa afirmou que vai disponibilizar 100 pessoas para o trabalho.

O óleo foi coletado e está sendo analisado.

Situação nos estados

Paraíba

No início de setembro, houve registro de manchas escuras nas praias do Bessa e de Manaíra, em João Pessoa. Banhistas que passaram pelas localidades, entre eles crianças, ficaram com o material grudado no corpo.

De acordo com o Ibama, foram registrados pontos de manchas em quase todas as praias, como as do Litoral Norte e Sul da Paraíba, incluindo Cabedelo, Pitimbu, Tambaba, Cabo Branco, entre outras.

O Ibama tem sobrevoado a costa do litoral paraibano e encontrou pequenos pontos de manchas que atingiram quase todas as praias do estado. O material foi coletado e encaminhado para análise.

Alagoas

Nas praias de Jatiúca e Ponta Verde, em Maceió, também foram identificadas manchas no dia 17 de setembro. Uma substância semelhante também apareceu nas praias de Guaxuma e Maragogi, também no litoral alagoano.

As praias do Francês, em Marechal Deodoro; de Carro Quebrado, em Passo de Camaragibe; Japaratinga e Barra de São Miguel também tiveram aparecimento recente de manchas. O Instituto do Meio Ambiente de Alagoas, a Marinha e o Ibama foram acionados para analisar a substância e identificar de onde o material veio.

Ceará

No sábado (21), banhistas também relataram ter visto uma substância semelhante nas praias do Futuro, Porto das Dunas e Sabiguaba, em Fortaleza; Cumbuco, na Região Metropolitana da capital; de Fortim, no Litoral Leste; e Paracuru e Mundaú, no Litoral Oeste. Uma tartaruga e uma ave marinha foram afetadas pelo material (veja vídeo acima).

Segundo a Divisão Técnico-Ambiental do Ibama no Ceará, os municípios que registraram aparecimento da substância devem ser notificados sobre como proceder em relação ao problema.

Maranhão

No Maranhão, uma tartaruga-marinha também foi encontrada morta na segunda (22). O animal foi recolhido na praia de Itatinga, no município de Alcântara, a 30 km de São Luís. Segundo o banhista que encontrou o animal, havia manchas de óleo na areia da praia e a tartaruga estava agitada (veja vídeo acima).

Pernambuco

No início de setembro, manchas escuras foram encontradas por banhistas na praia de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. Segundo a Agência Estadual do Meio Ambiente (CPRH), o material também foi visto nas praias Del Chifre, em Olinda; Candeias, em Jaboatão dos Guararapes; Gamboa, em Ipojuca; Ilha de Cocaia e Paiva, no Cabo de Santo Agostinho; e Carneiros e Tamandaré. Duas tartarugas foram afetadas.

Segundo a CPRH, o aparecimento de manchas não tem relação com o vazamento de óleo na Refinaria Abreu e Lima (Rnest), registrado dias antes. A substância que vazou não chegou ao mar, segundo a Agência, e tem densidade diferente do piche encontrado nas praias do litoral pernambucano (veja vídeo acima).

Rio Grande do Norte

De acordo com o MMA, as primeiras manchas foram vistas em Natal, na praia da Via Costeira, e Muriú, em Ceará-Mirim, na Grande Natal. Também houve registro de manchas nas praias de Camurupim, em Nísia Floresta; e em Pipa, no município de Tibau do Sul. As áreas mais afetadas até esta terça (24) são as praias de Pirambúzios e Barra de Tabatinga, em Nísia Floresta, e a foz dos rios Pirangi do Sul e Pium.

Na segunda (23), uma tartaruga da espécie oliva foi encontrada morta e coberta por óleo na praia de Redinha, em Extremoz. O animal apresentava a substância no casco e na mucosa da cavidade oral. Profissionais do Aquário de Natal recolheram a tartaruga e iniciaram o tratamento.

Piauí

A coordenação de emergência do Ibama também encontrou manchas escuras na Ilha dos Poldros, no Delta do Parnaíba. Na área, um surfista encontrou uma tartaruga morta e coberta por óleo (veja vídeo acima).

De acordo com o chefe da Área de Proteção Ambiental do Delta do Parnaíba, Daniel Castro, as praias do estado não foram atingidas pelas manchas devido à força da correnteza do Rio Parnaíba e das correntezas marítimas da região.

Sergipe
As manchas atingiram pontos na praia de Pirambu e nos municípios de Barra dos Coqueiros e Pacatuba.

G1

xxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Comentários