Carlos Ruiz

Carlos Enrique Ruiz Ferreira é mestre e doutor pelo Departamento de Ciência Política da USP; pós doutor pelo Departamento de Filosofia da USP; professor doutor associado de Relações Internacionais da UEPB. Atualmente é coordenador geral do Centro de Estudos Avançados em Políticas Públicas e Governança, conselheiro do Conselho Estadual de Educação da Paraíba e coordenador-adjunto do curso de Relações Internacionais da UEPB


O ENADE e a qualidade do Ensino Superior na Paraíba*

Em tempos de ataques frequentes ao ensino superior público no Brasil, faz-se necessário ressaltar alguns dados que demonstram de maneira cristalina a importância de um serviço público de qualidade. E nada melhor do que olharmos para alguns índices da Paraíba. Objetivamos neste artigo, de forma breve, trazer os dados do ENADE, o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes, e analisá-los. 

Como se sabe, o ENADE classifica o rendimento dos alunos concluintes dessa etapa de ensino; avaliando os estudantes a partir dos conteúdos programáticos previstos nas Diretrizes Curriculares Nacionais. Destarte, é um indicador que aufere a qualidade dos cursos de graduação do ensino superior.

Ao analisar esses dados veremos que as Instituições de Ensino Superior Públicas são incomparavelmente melhores que as Instituições Privadas, mostrando a excelência do serviço público educacional na Paraíba. E aqui estamos falando das três Universidades (UFPB, UFCG e UEPB) e do Instituto Federal (IFPB). A análise manifesta dos dados (dos últimos dois ENADES, de 2018 e 2019) denota a relevância das universidades públicas do Estado e, destarte, merece a atenção da sociedade e dos poderes públicos paraibanos, notadamente o Governo do Estado e a Assembleia Legislativa.

O ENADE referente ao ano de 2018 avaliou 120 cursos de distintas instituições na Paraíba. Destes, tivemos 22 cursos com os conceitos 4 ou 5, as maiores notas; dentre os quais, apenas três eram de instituições privadas (que obtiveram nota 4). Os cinco cursos que lograram a nota 5 (máxima) eram todos de universidades públicas: Comunicação Social/Jornalismo, da UFPB e da UEPB, Psicologia, da UFCG e UFPB e Direito, da UFPB.

Já o ENADE de 2019 classificou 154 cursos. Deste total, 38 cursos foram avaliados com os escores máximos (4 e 5); dentre estes apenas 1 (um) era de instituição privada. Os oito cursos com a nota 5 (cinco) foram: Engenharia Ambiental, Engenharia Civil, Medicina, Arquitetura e Urbanismo e Fisioterapia, da UFPB, Enfermagem, da UFCG, Tecnologia em Segurança no Trabalho, do IFPB e Engenharia Civil da UEPB.

Consolidando os dados de 2018 e 2019, referente aos cursos avaliados com as notas mais elevadas, observamos que 94% destes cursos são de Instituições Públicas, sendo apenas 6% cursos da Instituições Privadas. Demonstra-se, portanto, a excelência dos cursos de graduação das Instituições Públicas na Paraíba.

Ainda, a partir da análise dos dados do ENADE (2018 e 2019, somados) relativos às Instituições de Ensino Superior da Paraíba, propomos aqui, em primeira mão, o Ranking ENADE/PB. O Ranking é feito a partir da percentagem do total de cursos avaliados em relação aos cursos qualificados com as notas máximas por cada IES. Vejamos:

– Na UFPB, dos seus 38 cursos avaliados em 2018 e 2019, 26 adquiriram o conceito 4 ou 5, o que lhe confere o primeiro lugar, com uma percentagem de 68,4% de cursos avaliados com notas em extratos superiores.

– Em segundo lugar está UEPB, com 61,1% de seus cursos avaliados com as notas máximas (dos 18 cursos avaliados, 11 obtiveram nota 4 ou 5); 

– Em terceiro lugar está o IFPB, com uma percentagem de 54,5% (dos 11 cursos avaliados, 6 obtiveram notas em extratos superiores); 

– Em quarto lugar figura a UFCG, com uma percentagem de 51,6% (dos 31 cursos avaliados, 16 obtiveram notas em extratos superiores). 

– Em quinto lugar, a UNIFACISA, com uma percentagem de 14,2% (dos 7 cursos avaliados, 1 obteve nota em extrato superior).

– Em sexto lugar, a Faculdade Santa Maria, com uma percentagem de 10% (dos 10 cursos avaliados, 1 obteve nota em extrato superior).

– Em sétimo lugar, a UNINASSAU, com uma percentagem de 7,6% (dos 13 cursos avaliados, 1 obteve nota em extrato superior).

– Em oitavo lugar a UNIPÊ, com uma percentagem de 5% (dos 20 cursos avaliados, 1 obteve nota em extrato superior).

Uma vez trazidos os dados do ENADE à baila e tecidas as devidas análises, conclui-se que o ensino superior público na Paraíba (a saber: UFPB, UFCG, UEPB e IFPB) constitui-se como um exemplo de sucesso no que se refere à qualidade do ensino. Não há comparação exequível com as instituições privadas. 

Logo, e tendo em conta o cenário de ataques constantes por parte do governo federal ao ensino público de qualidade e inclusivo e à educação de forma geral, cumpre chamar a atenção da sociedade civil organizada e dos poderes públicos estaduais para a defesa ativa e altiva das Instituições de Ensino Superior Públicas (IESP) da Paraíba, um patrimônio de grande expressão para o desenvolvimento multidimensional do Estado e para a concretização de tantos sonhos de nossos e nossas jovens.

Em especial, e tendo em conta nossas conclusões, cabe fazer uma recomendação ao poder público executivo estadual. Trata-se da criação do Prêmio ENADE de Valor, a ser conferido anualmente aos cursos de IESP da Paraíba que obtiverem as notas máximas. É importante que esse prêmio se traduza também em um aporte financeiro, a ser destinado diretamente às necessidades concretas aos cursos de graduação, que com tanto esmero se dedicaram a lograr este êxito que tanto orgulha a educação paraibana. 

 

* Este artigo se realiza no âmbito do Programa de Extensão “Grupo de Acompanhamento do Plano Estadual de Educação” (aprovado por Edital da UEPB), coordenador pelo professor Geraldo Medeiros e do Centro de Estudos Avançados em Políticas Públicas e Governança (CEAPPG – www.ceappg.org), projeto financiado pela FAPESQ/SEECT/Governo da Paraíba.

TAGS

20 comentários

  • Antonio José da Silva
    21:47

    Boa noite Carlos Ruiz, grato por responder. Gostaria muito que conversássemos sobre um tema tão rico. Se essa comparação fosse possível uma instituição com apenas um curso e este curso com nota 4 ou 5 estaria em 1º lugar, o que seria injusto com instituições onde vários cursos participaram do Enade 2018 e/ou 2019. Esta comparação feita só tem sentido pra comparar dentro da própria IES. Espero que possamos conversar.
    PS: preparei um artigo onde abordo esta situação tanto pro Enade como para o CPC.

  • Antonio José da Silva
    21:47

    Prezado Carlos Enrique, parabéns pela matéria. Entretanto, o ranking que voce apresenta compara os conceitos dentro das próprias IES. Como está apresentado, não tem sentido ranquear as instituições, pois vc usa totais diferentes. Se queres comparar as IES o denominador da fração usada para se obter o percentual de cada IES tem que ser o mesmo. Outra coisa, o ENADE não indica a qualidade de um curso de graduação, ele é um dos componentes deste indicador. A qualidade de um curso de graduação é quantificada pelo CPC do curso.

    • Carlos Ruiz
      21:47

      Obrigado meu caro Antonio, entendo que a comparação é possível. Não vejo problema em usar totais diferentes, pois eles também estão em função dos cursos que tiraram as notas máximas, é um ranking de % do total de cursos avaliados por cursos com os escores superiores. Concordo que não indica “a” qualidade, mas não há dúvidas que é um indicador “de” qualidade. Há muitos outros indicadores de qualidade, da graduação e da pós, inovação, dentre outros, que corroboram, via de regra, esse ranking. Temos um grupo que está se dedicando a estes estudos. Será um prazer dialogar contigo para avançarmos e aprimorarmos.

  • Débora Raquel
    21:47

    Os dados informados constam a qualidade do ensino superior público na Paraíba, orgulho de fazer parte da UEPB. Parabéns pela análise Professor.

    • Carlos Ruiz
      21:47

      Obrigado Débora pelo comentário e consideração. De fato a UEPB vem se destacando a partir do esforço incessante do nosso quadro docente, discente e técnico. Abraço

  • Telma Ferreira
    21:47

    Essa constatação nos indica que estamos no caminho certo, ou seja, buscando a melhoria do ensino superior das instituições públicas, e que, portanto, o governo precisa investir na educação pública brasileira. Parabéns UEPB! Obrigada pelo texto professor Carlos.

    • Carlos Ruiz
      21:47

      Professora Telma, obrigado pela leitura e comentários. O ensino superior público brasileiro e paraibano se destaca nacional e internacionalmente. Só não ver quem não quer. A defesa da educação pública é tarefa de todos nós! Abraço

  • Filipe Reis
    21:47

    Esses dados do ENADE são muito importantes e precisam ser divulgados entre a sociedade paraibana. O ensino público é fundamental para a pesquisa científica, para o desenvolvimento nacional, para a soberania brasileira e para a luta contra a pobreza.

    • Carlos Ruiz
      21:47

      Professor e amigo Filipe, disse tudo! Essa é uma luta justa, em defesa do país, da soberania e do povo brasileiro. Que tenhamos um Estado e uma sociedade que defendam e promovam o ensino público inclusivo e de qualidade ! Abraço

  • SIBELE Thaíse
    21:47

    Excelente matéria! Parabéns aos esclarecimentos prestados, à sociedade, sobre a importância e relevância do ensino público e gratuito para a população paraibana.
    A publicização desse conteúdo é extremamente necessária. Obrigada pela contribuição oferecida!

    • Carlos Ruiz
      21:47

      Professora Sibele, obrigado pela leitura e comentários. É um prazer trabalharmos lado a lado na Pesquisa e Extensão sobre a educação paraibana!

  • Gilberlandio Nunes da Silva
    21:47

    Os dados reforça a qualidade do ensino público, temos que continuar firmes para garantir que nossas instituições públicas, continuem fazendo um excelente trabalho, colaborando com a sociedade. Parabéns aos professores, técnicos e alunas, alunos, pesquisadores e gestores, essa é uma conquista coletiva, do povo para o povo.

    • Carlos Ruiz
      21:47

      Professor Gil, muito obrigado pela leitura e reflexões, de fato é uma grande conquista do ensino público, mostrando a sua excelência e dedicação. Você é parte dessa história ! Abraço

  • Olívio Netto
    21:47

    Nas instituições privados de certa forma os professores são meio ou se sentem meio obrigados a serem bem mais flexíveis… os alunos pagam e de certa forma o professor se sente na obrigação de passar ou criar todos os meios pra isso.
    Universidade pública o aluno precisa se empenhar mais. Aí já no ensino médio ocorre o contrário hoje…
    A escola privada precisa de bom empenho de alunos no vestibular e enem, então os professores se empenham mais. Na escola pública muito professor com pouca qualificação e flexibilizam bem mais pra ter um nível de aprovação maior, n de aproveitamento do ensino.
    O ideal era que a mesma qualidade do ensino superior público, existisse tbm no ensino público fundamental e médio.

    • Carlos Ruiz
      21:47

      Sim meu caro Olivio, temos um grande desafio na Paraíba e no Brasil: elevar a qualidade do ensino público básico. Há muito a se fazer. Muito, em todas os setores, desde a infraestrutura até a valorização do professor, passando por currículos reformulados e assim por diante. Seguimos na peleja! Abraços

  • Joabson Cruz Soares
    21:47

    Os dados científicos apenas comprovam o que os alunos da UEPB já percebiam no seu dia a dia acadêmico: o excelente ensino da instituição e a responsabilidade de seus gestores. Orgulho de ser aluno da Universidade Estadual da Paraiba.

  • Vólney Ferreira
    21:47

    Parabéns pelo trabalho professor. Viva a universidade pública e gratuita?????

  • Iolanda B Silva
    21:47

    Excelente contribuição para o acompanhamento da trajetória de rendimento das IES!

    • Carlos Ruiz
      21:47

      Professora Iolanda, obrigado pela leitura e consideração. Seguiremos avante na defesa da educação!

  • Joabson Cruz Soares
    21:47

    Os dados científicos só comprovam o que os alunos da Universidade Estadual da Paraiba percebiam: A ótima qualidade de ensino, uma equipe de excelentes professores e gestores. Orgulho da UEPB.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.