Lourdes reclama de tratamento desigual, mas diz que não pretende mudar

A candidata do PCO ao Governo do Estado, Lourdes Sarmento, reclamou da forma de organização das eleições no Brasil e classificou o processo eleitoral como antidemocrático. As declarações foram feitas em entrevista concedida ontem à noite ao programa Conexão Master, da TV Master.

– Cada vez mais, o processo se fecha para partidos como o nosso, que não tem representação no Congresso Nacional. A gente precisa recorrer à Justiça para participar, pelo menos, das entrevistas. A Justiça não trata todo mundo igual. Não há como competir com a máquina do Estado e nem com a Justiça.

Com um orçamento de campanha estimado em R$ 50 mil, Lourdes Sarmento estima que deverá ter de 30 segundos a 1 minuto no guia eleitoral gratuito. Mesmo assim, ela não desanima e nem admite mudar sua postura:

– Se a gente estivesse caçando votos a todo custo, a gente ia mentir e fazer demagogia. Não podemos mudar a realidade.

Indagada sobre a recepção que teria no interior do Estado, em sua campanha, Lourdes usou de sua habitual sinceridade:

– A gente vai bem pouco porque não tem pernas para correr o Estado. Mas, onde a gente vai, a população vê coerência em nosso partido.

TAGS

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.