Julian Lemos diz que Bolsonaro precisa reconhecer que errou se quiser retornar ao PSL

O deputado federal da Paraíba, Julian Lemos, disse que o presidente Jair Bolsonaro deve fazer uma ‘mea culpa’ ao manifestar interesse em voltar para o PSL, de onde saiu intrigado com vários ex-aliados. Em entrevista à rádio Jovem Pan, Julian afirmou ainda que “o presidente sabe da importância do PSL para sua eleição”, em 2018. Ele negou que esteja havendo negociações para esse retorno de Bolsonaro à sua antiga legenda.

Questionado se o atual presidente do PSL, Luciano Bivar, aceitaria o retorno de Bolsonaro após ambos disputarem o comando do partido, o parlamentar paraibano respondeu. “Luciano Bivar é uma pessoa extremamente democrática. O que não se pode é almejar tomar de assalto a direção de um partido que vem sendo administrado com muita justiça e muita clareza.”

Ontem (14), o site O Antagonista destacou fala de Julian Lemos sobre a confiança dos partidários em Luciano Bivar, inclusive para negociar com Jair Bolsonaro. Julian também descartou uma opinião de Júnior Bozzella, de que o PSL não aceita Bolsonaro de volta, dizendo que Bozzella fala por ele e não pelo partido.

Julian comentou que Bolsonaro jamais deveria ter saído do PSL e que fez o pior ao sair. “Ele se apartou e fez o que poderia ter feito de pior que foi sair jogando pedras por esse caminho. E agora em um momento que aparentemente está um pouco descalço em relação a questão partidária, tem que voltar pelo mesmo caminho e ainda com certo orgulho dizendo que ‘olha, eu tô conversando com PTB e pode ser que eu volte para o PSL.’ Bolsonaro, até os reis podem errar, fazer uma ‘mea culpa’, dizer ‘eu cometi um erro, foi equivocado da minha posição e o PSL era o lugar de onde eu jamais deveria ter saído.'”

À Jovem Pan, o deputado explicou que a especulação do retorno aconteceu após fala do presidente em uma live. Bolsonaro pode não conseguir oficializar seu partido Aliança até 2022 e, por isso, precisaria se filiar a outra legenda. “Agora minha posição: o presidente que estava no PSL não tinha problema. Se gerava problema. Então uma possível volta do presidente, não tratamos isso ainda, apenas o presidente em uma live fez essa fala e ainda por cima disse que poderia conversar com 44 deputados e 8, não. Quer dizer, ninguém vai ser defenestrado, ninguém praticará nenhum tipo de injustiça dentro do partido e o partido é feito de um colegiado. Não é feito de um nem de 44. Ele é feito de 53 deputados federais que devem andar em uma linha em cima de uma coerência.”

Ainda em entrevista à Jovem Pan, Julian cobrou justiça de Bolsonaro. “O meu posicionamento é de que o presidente, para que se possa colocar como alguém que quer retornar ao partido, ao menos tem que fazer justiça com aqueles que o ajudaram a chegar onde ele chegou.”

 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.