Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Juiz paraibano manda retirar do ar documentário que aponta perseguição política na Calvário

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O juiz Adhemar de Paula Leite Ferreira Néto, de 3ª Entrância da Comarca de João Pessoa (PB), determinou que os jornalistas Eduardo Reina e Camilo Toscano retirem de todas as plataformas o documentário “Justiça Contaminada — O Teatro Lavajatista da Operação Calvário na Paraíba”, produzido e dirigido por ambos. A decisão atende a um pedido do desembargador Ricardo Vital, relator do processo da Operação Calvário no Tribunal de Justiça da Paraíba e apontado no filme como responsável por uma perseguição política ao ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, a ex-deputada estadual Estela Bezerra, a ex-prefeita de Conde Márcia Lucena e outras pessoas ligadas ao mesmo grupo político.

Adhemar já havia emitido decisão semelhante em março deste ano, mas ela foi reformada pelo ministro Edson Fachin do Supremo Tribunal Federal, em abril.

Desembargador Ricardo Vital de Almeida

Na ação apreciada no último dia 19, o juiz paraibano julga que os dois jornalistasnão realizaram críticas à atividade do desembargador, mas, “sem qualquer elemento de comprovação, atribuíram a ele, agente público, o cometimento de ilícitos gravíssimos. Incorrendo os réus, em tese, também em cometimento de crimes contra a honra do autor. Foram aqueles, ao que se vê dos autos, muito além da crítica quando, sem apresentar provas, fontes ou mesmo o apontamento de elementos de convicção mìnimamente razoáveis, atribuíram, ao autor, a prática de atos reprováveis, que teve como resultado desqualificar a pessoa dêste e a dignidade do múnus público ora exercido. Assim, a remoção do ilícito, o que deve ocorrer com a retirada do alegado documentário das redes sociais (Art. 139, IV, do Código de Processo Civil), é medida de concretização de direitos fundamentais, dentre os quais a honra, a imagem e a dignidade”.

A decisão dá um prazo de dois dias para que Eduardo e Camilo retirem o documentário de todas as plataformas onde ele esteja disponível. O magistrado prevê a aplicação de multa cominatória para o caso de descumprimento da determinação acima, pelos réus, de R$ 500 por dia de permanência nos canais em que podem ser vistos, até o valor máximo de R$ 30 mil, sem prejuízo da aplicação do disposto no Art. 297, do Código de Processo Civil, bem como da apuração das responsabilidades civis e criminais.

Ricardo Vital de Almeida se queixa de que Eduardo e Camilo promoveram uma “construção de ataques pessoais” com o único intuito de atacar sua imagem e honra.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Arthur Urso leva “esposas” para passear sem roupa íntima na orla de João Pessoa

Professores da UFPB desistem de candidatura e apoiam Terezinha e Mônica

Eleição da UFPB terá três chapas e atual reitor concorre à reeleição

Anteriores

Marcelo Queiroga e Sérgio Queiroz 1

Sérgio Queiroz adia anúncio sobre participação do NOVO na chapa de Queiroga; veja

coutoreuniao (1)

Couto, Cartaxo e Ricardo se reúnem e atacam Cícero Lucena

bolsonaro1

Ao receber cidadania paraibana, Bolsonaro diz que político não tem ação concreta

viaturasfurtoenergia

Ação de combate ao furto de energia resulta em 7 prisões

d8b82c70-f3bd-46d3-9bfa-61ce8d61d00a

Setor de serviços na Paraíba cresce 11,4% e registra 2ª maior expansão do País, revela IBGE

mptdelivery (1)

MPT discute segurança do trabalho com sindicatos de entregadores e motoristas de aplicativos na PB

diozene

Padre é preso com armas e munição durante blitz em Campina Grande

Sabadinho Bom praça rio branco

Sabadinho Bom apresenta grupo Choramigo no mês em que se comemora o Dia Nacional do Choro

Bolsonaro em JP

Na capital, Bolsonaro manda recado a apoiadores: “Uma pessoa não vai resolver o problema de vocês”

Vacina contra gripe, influenza

Prefeitura de João Pessoa realiza Dia D de vacinação contra gripe e dengue neste sábado