Internet se torna a nova “arma” a ser usada por políticos da PB

Foi-se o tempo em que político era sinônimo de homem de gravata, fechado dentro do próprio gabinete ou com atuação restrita ao plenário do Legislativo ou em desgastantes visitas às bases, marcando presença física onde. A última campanha eleitoral dos Estados Unidos, que elegeu o presidente Barack Obama, inaugurou uma nova fase na política mundial, introduzindo a internet como potente ferramenta para conquistar votos.

No Brasil, as inovações tecnológicas ganharam ainda mais força, depois que o Congresso Nacional revogou, meses atrás, o parágrafo 3º do artigo 45, da Lei 9.504/97, que proibia o uso de sites, blogs e páginas de relacionamento na divulgação de propaganda e opiniões favoráveis a candidatos em períodos eleitorais, tratando as ferramentas com as mesmas restrições impostas às emissoras de rádio e de televisão.

A medida flexibilizou o uso da internet nas campanhas, o que na eleição anterior só era permitido em sites do candidato ou partido, por força de uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Diante da nova realidade e antenados com as novas tecnologias, deputados e senadores paraibanos já estão aderindo às inovações e reduzindo as distâncias com o eleitorado. “Não há como fugir do que é inevitável”, avalia o ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB), que está montando escritório político em João Pessoa com uma orientação expressa à sua equipe: prioridade para as ferramentas da Internet em sua pré-campanha.

Da mesma sorte, o governador José Maranhão (PMDB) e o prefeito Ricardo Coutinho, pré-candidatos ao governo do Estado em 2010, já sinalizam para seus núcleos políticos que não vão abrir mão dos recursos disponibilizados pela rede mundial de computadores em suas campanhas.

Direito: especialista faz ressalvas

As mudanças na legislação eleitoral têm despertado também o interesse de advogados e pesquisadores do Direito Eleitoral brasileiro. Para o professor e especialista na matéria André Motta, a flexibilização do uso da internet nas campanhas eleitorais deverá trazer profundas modificações nos paradigmas até então adotados, até agora. Ele lembrou, entretanto, que a internet ainda é um recurso restrito às camadas com maior poder aquisitivo da sociedade, o que pode beneficiar os candidatos com maior poder econômico.
 
Flexível, a nova legislação proíbe que as informações dos candidatos não sejam veiculadas em sites de pessoas jurídicas, com ou sem fins lucrativos, ou em páginas oficiais e que estejam hospedadas em órgãos ou instituições públicas da União, Estados, Distrito Federal e municípios.

“A minirreforma eleitoral define que todas as ferramentas da internet podem ser usadas pelos ocupantes de cargos públicos em período não eleitoral, desde que não haja pedido expresso de voto para eleição vindoura”, explicou o advogado. André Motta prevê também aumento no total de demandas judiciais.

Congressistas e vereadores já aderem

Dos 12 deputados federais paraibanos, sete possuem páginas próprias na internet, participação no Orkut e no Twitter – redes sociais que permitem aos usuários que enviem e leiam atualizações pessoais de outros contatos.

Dos três senadores, todos também possuem sites, e mantêm canais de comunicação com a população.

As inovações já empolgam, também, as câmaras municipais. Na de Campina Grande, os vereadores Olímpio Oliveira (PMDB) e Antônio Pereira (PSB) disponibilizam seus pronunciamentos em tempo real na internet.

No final da semana passada, a diretoria de comunicação da própria Câmara criou um link de acesso ao Twitter da ‘Casa’. No novo canal, todos os parlamentares irão poder postas comentários, apresentar e receber sugestões da comunidade, sobre os problemas verificados na cidade.

Iniciativa privada se mobiliza

As empresas paraibanas já estão se preparando também para conquistar os clientes: políticos que vão usar as ferramentas disponíveis para conquistar votos.

A empresária Carolina Jerônymo, há dois anos sócia da Oba Multimídia de Campina Grande,  prestou serviços a vários candidatos nas eleições de 2008. Atualmente, está desenvolvendo todo o material de atuação do presidente nacional do PC do B, Renato Rabello, para ação dentro das mídias sociais como blog, Twitter e Orkut.

Para Carolina, é preciso desmistificar alguns conceitos. “O político não é um produto. Não se pode vender políticos, mas sim suas ideias. Quando pensamos em um projeto para um candidato, temos o desafio de mostrar quem ele é e o que propõe falando para o seu público-alvo, numa linguagem compreensível que convalide o que está sendo ‘apresentado’. A empresária observa que o candidato não deve criar uma imagem “virtual”, apenas transferir para a rede o que ele já é e pensa.

Para o técnico em informática Alan Pedrosa, que desenvolve com uma equipe ferramentas para a Internet, 2010 ficará marcado como “o ano da campanha virtual”. Para montar um site,  ele informa que os clientes precisam investir entre R$ 1 mil e R$ 1,5 mil, além de R$ 200 a R$ 500 por mês para sua manutenção.

Major Fábio é pioneiro no Parlatube

Um dos pioneiros na bancada paraibana no Congresso a optar pelas ferramentas de interatividade de Internet, o deputado federal Major Fábio (DEM), lembrou que sua página na Internet recebe em média 300 acessos por dia, de pessoas que residem em várias partes da Paraíba e em outros Estados.

“Pessoas de todo o Brasil participam de meu trabalho e os paraibanos começam a ver a opinião dessas pessoas, e isso é muito positivo”, atesta o deputado do DEM.

Segundo o major Fábio, uma boa vitrine também é o ‘Parlatube’, onde estão postados mais de 40 mil vídeos reproduzidos e que possibilita aos internautas acompanharem nossos pronunciamentos e ações desenvolvidas. A população de Cajazeiras, de Patos, e de outras cidades sabe o que estou fazendo, embora eu não possa estar em cada cidade todas as semanas”, explicou o deputado.

Dunga Jr. faz audiências on-line

O deputado estadual paraibano Dunga Júnior (PTB), que tem um site atualizado divulgando suas ações, além de Orkut e Twitter, decidiu inovar. Em sua homepage, Dunguinha criou espaço para “audiências on-line”. Pelo menos duas vezes por semana, em horários marcados, o parlamentar abre espaço para ouvir sugestões, críticas e debater assuntos de interesse público com os internautas.

“São 700 visitas em nosso site por semana, e a gente se sente muito satisfeito, porque é uma forma ampliar a interatividade com a população. São formas que a gente tem de receber as novas ideias trazidas pelo eleitor, e muitas delas se transformam em projetos de lei, após debatermos em foros de discussão que são abertos à participação de todos”, assinalou o deputado.

Dunga Júnior não tem a menor dúvida: as ferramentas vão contribuir para o esclarecimento do eleitorado durante a campanha do próximo ano.  “Esse é um caminho sem volta na próxima campanha. Todos os candidatos vão aderir a isso, porque inevitavelmente as campanhas vão se concentrar no rádio, TV e na internet, acabando os comícios tradicionais”, projetou Dunga.

ENDEREÇOS IMPRESCINDÍVEIS

Twitter
Orkut
Facebook
Youtube
Parlatube
Interlegis
Senado Federal
Câmara dos Deputados

 

Jornal da Paraíba

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.