Índio que mora em João Pessoa é selecionado para expor no Itaú Cultural e no Canadá

O Programa do Artesanato da Paraíba (PAP), vinculado à Secretaria de Estado do Turismo e Desenvolvimento Econômico (Setde), comemora esta semana mais uma conquista: a seleção do artesão Guariguazi de Lima Tavares para a exposição virtual do Itaú Cultural e também para o Museu Internacional de Arte Naif de Magog, no Canadá.

A seleção faz parte do 3° edital de emergência lançado pelo Instituto Itaú Cultural em tempos de pandemia (Arte como Respiro/Artes Visuais). De acordo com o Instituto, esta edição recebeu 8.707 inscrições, sendo escolhidos 140 trabalhos da categoria Produção Artes Visuais e 60 da categoria Série Fotográfica.

A gestora do Programa do Artesanato da Paraíba, Marielza Rodriguez, ressaltou que a arte de Guariguazi, que vai expor no segmento pintura, merece mais esta conquista. “Guariguazi, antes de ser artesão, é um índio potiguar, e isso explica muito bem a sua arte: pura, inocente e adornada com elementos folclóricos, muito humana. É mais uma grande conquista ao longo de sua trajetória”, comentou.

Para Guariguazi, nascido no Rio Grande do Norte, mas radicado em João Pessoa desde os 12 anos de idade, o sentimento é de felicidade. “Me senti muito feliz ao receber a notícia de minha curadora, Lu Maia. Sou muito grato também ao Programa do Artesanato da Paraíba, do qual faço parte desde 2003”, disse.

Lu Maia explicou que, inicialmente as obras de Guariguazi seriam exibidas no Festival Internacional de Arte Naif (Fian), promovido pelo município de Guarabira, no Brejo paraibano. No entanto, como era presencial, teve de ser suspenso por conta das medidas de distanciamento social adotadas para conter a pandemia de Covid-19. “Outro artista, Adriano Dias, teve a ideia de levar a proposta para a exposição no Canadá, que logo foi aceita. Guariguazi tem uma obra muito genuína e merece que o mundo o conheça”, acrescentou Lu Maia.

Na seleção do Itaú Cultural, Guariguazi foi selecionado ao lado dos paraibanos Manuel Dantas Vilar e Ana Clara Ribeiro Stossberg.

Comentários