Fundação doa 15 toneladas de alimentos às famílias carentes da Paraíba

A Fundação Cidade Viva divulgou um balanço parcial das doações do Projeto Cesta Básica, que integra o Plano de Ação Social da igreja para arrecadação de alimentos para minimizar o sofrimento de famílias paraibanas vulneráveis, durante a disseminação do novo coronavírus (COVID-19).

Na primeira quinzena do Projeto Cesta Básica, a Fundação já doou quase 15 toneladas de alimentos, além de 700 quentinhas semanais aos moradores em situação de rua e milhares de unidades de produtos de higiene pessoal. Outras dez instituições filantrópicas também foram auxiliadas com insumos diversos, de acordo com as suas necessidades.

Ao todo, nas duas primeiras semanas, mais de 500 famílias, diretamente, já foram assistidas por meio das cestas básicas em 11 comunidades diferentes de oito cidades (João Pessoa, Bayeux, Cabedelo, Conde, Santa Rita, Sapé, Cruz do Espírito Santo e Campina Grande), incluindo as comunidades da Zona Rural. “Este público é previamente cadastrado e avaliado a fim de que só recebam auxílio às famílias que realmente têm necessidade. Além deste público assistido, outras milhares de famílias têm sido assistidas direta ou indiretamente por meio de outras diversas ações da Fundação Cidade Viva”, explicou o coordenador do Núcleo de Cuidados Comunitários da Cidade Viva, Saulo Ribeiro.

Números incontáveis de doadores – Segundo ainda o coordenador dos Cuidados Comunitários, o número de parceiros solidários que tem ajudado neste projeto é incontável. “Cada pessoa da igreja ou da sociedade que deposita um valor, por mínimo que seja, faz toda a diferença na vida de alguém que está necessitada. Se a pessoa doa o valor equivalente a um pacote de arroz, este valor será somado a outros valores e uma família terá alimento para os próximos dias. A Bíblia diz que Jesus se agradou da oferta de uma viúva pobre, porque ela se esforçou para abençoar o outro. Enquanto para alguns é fácil doar um caminhão de cestas básicas, para outro só há condições de doar o valor de três itens de uma cesta. Deus se agrada de ambos, mas o que tem condições de doar mais certamente deveria fazê-lo, pois são mais famílias com possibilidades de serem auxiliadas. Além de especificamente doar para a cesta acrescentando os 19 centavos na conta, outros têm doado para as demais ações da Fundação”, comentou Saulo Ribeiro.

Outras ações da Cidade Viva – Durante a pandemia do Coronavírus, a Fundação Cidade Viva realizou também outras ações paralelas como, por exemplo, a doação de protetores faciais (viseiras) ao Instituto de Perícia Criminal da Polícia Civil da Paraíba e aos profissionais de saúde; máscaras de tecido para familiares de internos que estão em hospitais de João Pessoa; além de fraldas geriátricas, álcool em gel, luvas descartáveis; alimentos e milhares de outros insumos para sete Instituições de Longa Permanência de Idosos; sacos de lixo desinfectantes para dois hospitais filantrópicos da capital, doação financeira para instituição filantrópica com trabalhos com crianças, adolescentes, idosos, pacientes em tratamento contra o câncer e moradores em situação de rua por meio da Igreja Cidade Viva.

Linha de produção de máscaras – Saulo Ribeiro acrescentou ainda que a construção de uma Fábrica de Bonecas em uma unidade prisional feminina de João Pessoa numa parceria da Fundação Cidade Viva com a SEAP (Secretaria de Administração Penitenciária) e a Vara de Execuções de Penas Alternativas possibilitou a instalação de uma linha de produção para a fabricação de máscaras. Elas estão sendo distribuídas aos policiais penais e equipes de saúde em todo o Sistema Penitenciário da Paraíba, assim como para os profissionais da Secretaria de Estado da Saúde.

“Todas estas ações acontecem porque parceiros se levantam, sejam empresas que doam a mão de obra para a produção da quentinha, um voluntário da igreja que doa tempo para costurar máscaras que serão doadas em outro local. Todos os que de alguma forma se levantam nesse momento tornam-se parceiros por entenderem que podem fazer algo pelo que está em uma situação de maior sofrimento que a sua.

Ações sem recurso público – Saulo Ribeiro enfatizou que todas essas ações da Fundação Cidade Viva acontecem sem qualquer recurso público. “Tudo o que temos feito parte do investimento de membros e amigos da Igreja Cidade Viva e de inúmeros outros voluntários cristãos e não cristãos, de empresas e de entidades empresariais, mas que se tornam um no amor ao vulnerável. Você também pode ajudar”, apontou Saulo.

Três valores de cesta básica – A Fundação Cidade Viva elaborou três modelos de cestas básicas, com valores diferentes, para que tanto as pessoas da comunidade como os paraibanos, sensibilizados com os mais vulneráveis, possam em um gesto de solidariedade contribuir. A doação pode ser feita em transferência bancária ou pessoalmente em dois endereços. São três valores de cestas: de R$ 72,19; uma segunda de R$ 46,19 e a terceira de R$ 25,19 para quem vai depositar.

Onde entregar as cestas – As cestas podem ser entregues em dois endereços. No Centro Convenções Cidade Viva, localizado no bairro Aeroclube, no período de 7h às 18h; ou na Cidade Viva Zona Sul, no City Park, no bairro Valentina Figueiredo, no período de 7h às 19h.

Já para quem vai depositar a doação, a Fundação Cidade Viva disponibiliza a conta do banco Bradesco (Agência: 1104-5 e C/C: 10-8) com o número do CNPJ: 09.491.298/0001-54.

Dúvidas e esclarecimentos podem ser feitos via Instagram no endereço @cidadeviva ou no Whatsapp com o número (83) 99124.9820. Para mais informações, a Cidade Viva disponibiliza o link https://cidadeviva.org/noticias/novidades/opcoes-para-doacao-de-cestas-basicas

 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.