Frente de esquerda se organiza e quer contraponto a Ricardo e Maranhão

Embora não disponha ainda de nomes para a disputa do Governo da Paraíba em 2010, três partidos de esquerda – PSTU, PSOL e PCB – estão conversando e podem convergir para uma candidatura única cujo propósito maior seria enfrentar o debate com os dois candidatos mais bem situados nas pesquisas de opinião pública realizadas até agora: Ricardo Coutinho (PSB) e José Maranhão (PMDB) . Para Antônio Radical, um dos representantes do partido no Estado, tanto o prefeito da capital quanto o governador do Estado representam os interesses das oligarquias paraibanas.

Para Radical, a especulada composição entre Cássio Cunha Lima (PSDB) e Ricardo Coutinho (PSB) é um fenômeno político sem explicação: "Como Ricardo, que prega a ética e a moralidade, pretende justificar seu alinhamento com Cássio que foi cassado acusado de corrupção? Essa aliança formaliza a participação de Ricardo no esquema das oligarquias paraibanas. Ele não tem mais nada a ver com a luta e os interesses dos trabalhadores", disse.

Da mesma forma, Radical tem várias críticas ao ex-governador José Maranhão: "Ele é um velho coronel que tenta posar de novo com a ajuda do PT. Mal sabe ele que esse partido também perdeu a identidade com os trabalhadores. Luiz Inácio Lula da Silva é o presidente dos empresários e das oligarquias. A maior marca desse governo é o número de nomeações no Diário Oficial. Fora isso, não sobra nada", disse o dirigente do PSTU paraibano.

Segundo ele, as conversações sobre o candidato de esquerda ao Governo do Estado só devem ser iniciadas no mês que vem. A tendência é repetir na Paraíba a composição nacional que busca apoiar Heloísa Helena para presidente tendo José Maria (PSTU) como candidato a vice.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.