Enfermeira é esfaqueada pelo ex-companheiro quando chegava ao Trauma de CG

Uma enfermeira foi esfaqueada na manhã desta quarta-feira (20) quando chegava para trabalhar no Hospital de Trauma de Campina Grande. O caso aconteceu por volta das 6h40 e o suspeito, que foi preso em flagrante, é o ex-companheiro, com quem ela tem um filho de dois anos.

Eliete da Silva, de 39 anos, foi atingida por vários golpes desdefidos pelo homem identificado como Alípio Pereira de Carvalho, também de 39 anos.

Ela foi abordada pelo ex-companheiro no estacionamento do hospital, quando chegava para o plantão. Outros funcionários ouviram seus gritos e a socorreram.

Com ferimentos na região da cervical, tórax e cabeça, ela foi encaminhada para a área vermelha do hospital. Segundo a assessoria do Trauma, ela estava passando por cirurgia.

Já o agressor foi encaminhado pela Polícia Militar para a Central de Polícia.

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde lamentou a tentativa de feminicídio praticada contra Eliete da Silva. Segundo a nota, Eliete, que é técnica de enfermagem e trabalha desde 2011 no hospital, vinha sofrendo ameaças do agressor.

Confira nota:

A Secretaria de Estado da Saúde lamenta profundamente a tentativa de feminicídio praticada contra uma de suas profissionais na manhã de hoje, 20 de novembro, quando chegava para iniciar sua jornada de trabalho no Hospital de Trauma Dom Luiz Gonzaga Rodrigues.

Eliete da Silva, 39 anos, é técnica de enfermagem e colabora com a qualidade dos serviços prestados por este hospital à população paraibana desde 2011 e vinha sofrendo ameaças de seu companheiro.

A violência doméstica é uma das mais brutais formas de violência, que atinge a mulher na sua autonomia. Eliete é vítima de um crime grave, praticada por quem a conhecia intimamente e sabia que atingí-la no seu ambiente de trabalho seria ainda mais humilhante e doloroso. O Hospital de Trauma de Campina Grande junto com a SES não medirão esforços para auxiliá-la, protegê-la e resgatar a sua dignidade, bem como colaborar com as autoridades policiais e a justiça.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.