Eliza lamenta morte de Olavo de Carvalho e lembra homenagem ao pensador

A vice-presidente da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), Eliza Virgínia (PP), lamentou, nas suas redes sociais nesta terça-feira (25), o falecimento do escritor Olavo de Carvalho e lembrou do título de Honra ao Mérito de sua autoria oferecido ao filósofo, professor e escritor .

“Acordei triste com essa notícia. Morreu um dos grandes mestres da ideologia conservadora mundial. Ele despertou muitos jovens e teve um papel fundamental pra essa mudança na política Brasileira, bem como de
encorajamento para a direita ressurgir no Brasil, pois a maioria do povo brasileiro é conservador, mas não
possuía coragem de se revelar”, contou a parlamentar.

Eliza lembrou da participação que nesse processo de mudança do Brasil, quando entrou o título de honra ao escritor na Casa Napoleão Lauriano. “Em 2016, quando mal se falava em seu nome e em Direita na Paraiba, destacamos seu papel na educação política dos conservadores de nosso Estado”, disse Eliza.

Eliza finalizou dizendo: “Obrigado Olavo, por todos os ensinamentos e colaboração para edificação política de nosso País”.

2 comentários

  • Bertrand Lira
    16:54

    Que serviços esse impostor, dublê de filósofo, prestou ao Brasil? Matar a nossa gente com seu negacionismo genocida? Um pensador de baixo nível que vai pro lixo da história. Nos poupe desse vexame, vereadora. Não envergonhe a nossa cidade.

  • Ednamay Cirilo Leite
    16:54

    *À MORTE DE UM CANALHA*
    por Mario Benedetti
    (poema escrito e publicado em 1963)

    _Os canalhas vivem muito,_
    _mas algum dia morrem_

    OBITUÁRIO COM HIP-URRAS´

    Vamos festejá-lo
    venham todos
    os inocentes
    os lesados
    os que gritam à noite
    os que sonham de dia
    os que sofrem no corpo
    os que alojam fantasmas
    os que pisam descalços
    os que blasfemam e ardem
    os pobres congelados
    os que amam alguém
    os que nunca se esquecem
    vamos festejá-lo
    venham todos
    o crápula morreu
    acabou-se a alma negra
    o ladrão
    o suíno
    acabou-se para sempre
    hip-hurra´
    que venham todos
    vamos festejá-lo
    e não-dizer
    a morte
    sempre apaga tudo
    a tudo purifica
    qualquer dia
    a morte
    não apaga nada
    ficam
    sempre as cicatrizes
    hip-hurra´
    morreu o cretino
    vamos festejá-lo
    e não-chorar por vício
    que chorem seus iguais
    e que engulam suas lágrimas
    acabou-se o monstro prócer
    acabou-se para sempre
    vamos festejá-lo
    a não-ficarmos tíbios
    a não-acreditar que este
    é um morto qualquer
    vamos festejá-lo
    e não-ficarmos frouxos
    e não-esquecer que este
    é um morto de merda”

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.