Dom Aldo diz que panfletos anônimos são blasfêmia e injúria

O arcebispo da Paraíba, Dom Aldo di Cillo Pagotto, comentou a distribuição de panfletos apócrifos em várias regiões da Paraíba contra o candidato ao Governo Ricardo Coutinho (PSB). O religioso criticou a estratégia usada contra o socialista e disse, sem citar nomes, que o postulante atacado não merecia ser alvo deste tipo de abordagem. Dom Aldo foi o entrevistado de ontem no programa Bastidores, do Padre Albeni Galdino na TV Master e também falou sobre a autorização dada pelo Papa Bento XVI para que os bispos se pronunciem contra o aborto.

– Determinado candidato em nosso Estado foi agredido por uma panfletagem blasfematória, injuriosa… ele não merece isso. Isso deve ser apurado isso. Ele não merece isso. Não posso pronunciar o nome, mas o candidato não merecia isso, ser tachado de ateu, de nomes horríveis, discriminando as religiões afro… e não tem nada disso. Ele é um homem plural, republicano.

Alvo de muitas críticas por causa de um vídeo postado no You Tube no qual acusava o PT de disseminar no Brasil "uma cultura de morte", Dom Aldo disse que perdoava quem lhe havia acusado naquele momento:

– Eu perdoo as pessoas que me agrediram. É difícil guardar mágoas porque é um rio de veneno. Não há coisa melhor que um dia depois do outro. Do modo que me atacaram, deram um tiro no pé. O que vem de baixo não me atinge.
 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.