Dois suspeitos presos por fraude no concurso da UFPB são servidores públicos

Dois dos suspeitos presos ontem (7) pela Polícia Federal por fraude na prova do concurso da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) são funcionários federais, segundo revelou hoje a PF.

Um total de seis pessoas já estavam sendo investigadas pela Polícia Federal, mas apenas quatro foram presas pela Polícia Federal ontem (7), três em Rio Tinto, no Litoral Norte da Paraíba e uma em João Pessoa, em Mangabeira.

O delegado Fábio Maia, da Polícia Federal, disse que os suspeitos apresentaram comportamento estranho, o que acabou ajudando na investigação.

Três suspeitos foram presos após concluírem a prova em Rio Tinto.

O quarto suspeito preso em João Pessoa não chegou a fazer a prova, pois foi flagrado com um ponto telefônico no ouvido.

De acordo com PF, os candidatos presos utilizam instrumentos eletrônicos de recepção de dados, com objetivo de receberem, de terceiros, o gabarito de suas provas.

Os presos em Rio Tinto pediram para ir ao banheiro várias vezes, segundo o delegado para provavelmente “obter respostas externas através de dispositivos eletrônico. A ida ao banheiro era apenas um subterfúgio”.

Os três foram abordados no banheiro, com quem foram encontrados celulares e smartwatch escondidos dentro das roupas.

Já o suspeito em João Pessoa foi pego pelo detector de metais e foi descoberto que ele estava com um receptor, numa cinta junto ao corpo, e estava com um ponto eletrônico na orelha.

Os detalhes da prisão do grupo foram divulgados na manhã de hoje pelo delegado durante entrevista coletiva na sede da PF.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.