Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Deputada quer acabar com obrigatoridade de carteira da Ordem dos Músicos

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Marcela Sitônio

Um projeto de lei orgânica que tramita na Assembleia Legislativa da Paraíba, apresentado pela deputada Francisca Motta (PMDB), está irritando o Conselho  Regional da Paraíba da Ordem dos Músicos do Brasil. Ela quer acabar com a obrigatoriedade de apresentação da carteira da entidade na participação de músicos em shows e atividades afins que ocorram no Estado.
 
Na justificativa do projeto, a deputada faz alegações contra  a exigência da  obrigatoriedade de  carteiras da Ordem dos Músicos do Brasil para todos os artistas da área que forem fazer algum tipo de apresentação em shows e defende o fim da  cobrança da anuidade aos filiados, como também o percentual a ser retirado nos contratos firmados pelos músicos em eventos de diversas natureza. Motta diz que o objetivo maior do projeto é desenvolver a produção artística no Estado, dispensando as exigências feitas pela Ordem dos Músicos do Brasil.
 
“O projeto é inconstitucional, Francisca Motta é uma deputada estadual e está ferindo o princípio da hierarquia das leis. No momento em que a matéria for aprovada, ela passa a contrariar a lei federal  3.857 de 22 de dezembro de 1960, que regulamenta a profissão dos músicos no Brasil”, reagiu o presidente do Conselho Regional da Ordem dos Músicos do Brasil na Paraíba, Benedito Honório da Silva.
 
Ele explicou que nenhuma entidade sobrevive sem a cobrança de anuidade aos filiados que hoje é no valor de R$ 100. Honório também disse que não há cobrança de percentual nos contratos para apresentação dos músicos. O que acontece hoje, segundo o presidente, é que a Ordem dos Músicos do Brasil expede uma nota contratual gratuitamente ao profissional, onde ele assegura todos os seus direitos trabalhistas e previdenciários.

“Esta nota contratual evita, inclusive, do músico ser contratado para um evento em qualquer esfera do poder público ou privado e ficar sem receber o valor acordado, que é o que habitualmente acontece quando o acerto é feito verbalmente entre contratado e contratante”, observou Honório.
 
Para ele, a sociedade precisa se conscientizar que o músico é um profissional como os demais e existe uma lei que proíbe o exercício ilegal da profissão. Honório reconhece que existem os chamados músicos leigos tão talentosos quanto outros que passaram por cursos profissionalizantes, universitários, mas  se querem exercer a profissão, são obrigados a se submeter aos testes requeridos pela Ordem dos Músicos do Brasil, sob pena de se tornarem contraventores , ao exercerem  ilegalmente a carreira de músico.

A discussão sobre o projeto ainda vai render mais, quando a Assembleia marcar a data da Audiência Pública para discutir a matéria.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

‘Festa da Adoção’ tenta aproximar crianças e adolescentes de pessoas aptas a adotar

Anteriores

Karla Pimentel

Prefeita de Conde homologa concurso público

lucassegfuranca

São João de Campina Grande tem monitoramento por drones, ‘supercâmera’ e identificação facial

joao-pessoa-trem-cbtu-cabedelo-santa-rita-divulgacao

Trens urbanos param no feriado de Corpus Christi

WhatsApp Image 2024-05-29 at 17.24.13

Prêmio APCA homenageia Cláudia Carvalho, editora do Parlamento PB

Pesquisa-oculos-2

Procon-JP registra variação de mais de 71% no preço de óculos de sol em nova pesquisa

Comercio-Foto-Divulgacao-Secom-PB-2

Saiba o que abre e fecha em João Pessoa no feriado de Corpus Christi

noname

Campanha Eleitoral: advogado fala sobre uso de Inteligência Artificial e pedido de votos

IMAGEM_NOTA_CIDADA_MAIO_2024_1_OK

Nota Cidadã divulga os ganhadores do mês de maio

WhatsApp-Image-2024-01-19-at-10.42.22

Linhas de ônibus funcionarão nesta quinta e sexta, dias 30 e 31, com frota dos dias de sábado

Médicos Processo seletivo emergencial

Juíza condena Prefeitura de Bayeux a indenizar médica inocentada pelo CRM