Cresce o número de denúncias de crimes na PB

O combate à pedofilia e aos crimes de abuso sexual de crianças e adolescentes têm ganhado mais força no Brasil e na Paraíba. Em todo o País, mais de 3 mil páginas do Orkut (pertencente à empresa norteamericana Google) que apresentavam características de pedofilia e tinham fotografias “bloqueadas” tiveram o sigilo telemático quebrado e mais de 18 mil profiles suspeitos deverão ter seu conteúdo disponibilizado pela empresa para investigações.

Na Paraíba, uma campanha televisiva produzida pela Associação Nacional do Ministério Público Criminal (MPCrim) está sendo veiculada desde janeiro deste ano em todo o Estado. Nesses últimos três meses, a campanha educativa resultou no aumento de denúncias feitas através do telefone 190. “Muitos foram os telefonemas, porém, após minuciosa análise feita pela Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Infância e a Juventude, apenas dois casos foram comprovados, o que ensejou ao manejo da ação penal correspondente”, informou o Promotor de Justiça que coordena a Central de Acompanhamento de Inquéritos Policiais (Caimp) de João Pessoa e integra do MPCrim, Ricardo Alex Almeida Lins.

Segundo o Promotor de Justiça, a rede mundial de computadores é o principal meio de divulgação da pedofilia, que, além de movimentar milhões de dólares por ano, é responsável por outros crimes como o turismo sexual e o tráfico de crianças e adolescentes. “A pedofilia expõe milhares de crianças indefesas a abusos que nem mesmo adultos suportariam. Podemos afirmar, hoje, a existência de Clubes de Pedofilia! Esses clubes servem para ‘associar’ pedófilos pelo mundo, onde estes podem adquirir fotos ou vídeos contendo pornografia infantil ou, pior, ‘contratar’ serviços de exploradores sexuais, fazer turismo sexual ou mesmo efetivar o tráfico de menores e aliciá-los para práticas de abusos sexuais. Além do mais, este circo de horrores é responsável pelo desaparecimento de crianças no mundo inteiro”, alertou.

Sigilo quebrado – O Promotor de Justiça da Caimp de João Pessoa, Ricardo Alex Lins, informou que 3.261 páginas do site de relacionamento da Google foram examinadas e em muitos casos, a prática do crime de pedofilia foi confirmada. “O Ministério Público, em parceria com a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Pedofilia, conseguiu uma grande vitória no campo do combate ao abuso sexual na internet. Foi a primeira vez no Brasil e na América Latina que a Google entregou os conteúdos denunciados. Há previsão da entrega do conteúdo de mais 18 mil profiles suspeitos e já foi firmado entre a empresa e o Ministério Público acordo para melhorar em muito o combate aos delitos cibernéticos”, acrescentou. 

Campanha – A campanha televisiva de combate à pedofilia desenvolvida pelo Ministério Público pretende proteger integralmente as crianças e adolescentes. A estratégia não se restringe apenas aos crimes sexuais. Qualquer tipo de atividade ilegal com aspectos civis e trabalhistas, como os trabalhos considerados prejudiciais à moralidade podem ser denunciados através do telefone 190. “Ao se somar à fileira de entidades que já estão engajadas nacional e internacionalmente em promover o combate à exploração sexual infantil, o Ministério Público busca cumprir seu papel constitucional de intransigente defensor da sociedade em todas as suas searas. Hoje, a nossa principal missão é a conscientização das famílias e da sociedade sobre essa situação preocupante. Acreditamos que tenha crescido significativamente a consciência da sociedade sobre a necessidade de dar contínua e ampla proteção à criança e ao adolescente através do implemento de discussões no seio familiar sobre o assunto”, disse Ricardo Alex.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.