Covas diz que SP começará a analisar pedidos de reabertura do comércio em 1º de junho

São Paulo – O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, disse nesta quinta-feira que nenhuma reabertura de comércio, escritórios e shopping centers acontecerá na cidade antes que a prefeitura aprove protocolos setoriais para o retorno às atividades. O município começará a receber esses planos a serem enviados pelas entidades representantes dos segmentos econômicos em 1º de junho. Ele não deu prazo para a análise desses protocolos.

Na quarta-feira a cidade de São Paulo foi incluída pelo governo estadual na lista de municípios que podem iniciar uma reabertura econômica, flexibilizando a quarentena _ chamada de fase 2. Cinco setores comerciais estão autorizados a abrir a partir de 1º de junho, desde que tenham protocolos sanitários aprovados pelas prefeituras. São eles: imobiliárias, escritórios, concessionárias de veículos, comércios e shopping centers.

Nesta tarde, Covas disse que a expectativa é que a cidade registre uma taxa de transmissão da Covid-19 abaixo de 1 _ ou seja, quando cada indivíduo infectado com o novo coronavírus contamina menos de uma pessoa. Hoje esse índice está em 1,1. Ele mencionou a projeção ao defender que São Paulo está iniciando a flexibilização da quarentena no momento correto e seguindo critérios adotados em outros países.

-O governo do estado adotou uma série de critérios para classificar municípios. O que foi feito segue parâmetros internacionais. No caso do município já temos um RT igual a 1 e a expectativa é que a gente tenha um RT menor do que 1 já na semana que vem – disse o prefeito.

A prefeitura informou que os parâmetros mínimos a serem exigidos para a reabertura econômica são aqueles dispostos em protocolos divulgados pelo governo do estado. A Secretaria Municipal do Emprego e Relações do Trabalho sera a responsável por receber as propostas setoriais para flexibilizar a quarentena. Caberá à Vigilância Sanitária municipal a aprovação e liberação do comércio, escritório, imobiliária, concessionária de veículo ou shopping center para funcionar.

Apesar da autorização para flexibilizar o isolamento social, Covas refez o pedido para que a população continue usando máscaras ao sair às ruas e que não circule pela cidade desnecessariamente.

Até 31 de maio, a quarentena atual continua em vigor e apenas serviços essenciais estão autorizados a abrir as portas.

A cidade registrou ontem 92% de ocupação dos leitos de UTI, sendo os hospitais da zona leste os mais castigados pela pandemia. Sao 54.948 casos confirmados de Covid-19 e 3.649 óbitos.

 

 

O Globo

Comentários