Corretora acusada de racismo contra criança se defende: “Fui injuriada e difamada”

A corretora de imóveis e empresária Karinna Leite Araruna encaminhou ao ParlamentoPB na tarde de hoje uma nota na qual comenta as acusações feitas contra ela pela vereadora Sandra Marrocos (PSB) durante a sessão de ontem da Câmara de João Pessoa. Na oportunidade, Karinna foi acusada de racismo contra uma estudante de 12 anos, neta de Pinto do Acordeon e colega de turma de sua sobrinha no Colégio Master Bessa, na capital paraibana. Sandra foi procurada pela família da garota e apresentou um voto de solidariedade a ela, criticando Karinna, a quem atribuiu ainda a agressão física de “aperto no nariz” e uma cusparada no rosto da menina.

Karinna, em sua nota, diz que nenhum dos fatos sequer existiu. Alega que não é racista até porque é filha de um negro e tem “sangue negro correndo nas veias”. Mais do que isso, acrescentou que sua sobrinha vinha sendo alvo de bullying na escola e atribuiu as denúncias a “mágoas antigas da mãe da garota”.

Confira a íntegra da nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Esses últimos dias têm sido bem difíceis em minha vida, pois me deparei, de forma injusta e desproporcional, em meio a um “furacão” que colocou minha vida “de pernas pro ar”, na tentativa de manchar e macular meu nome e minha dignidade. Fui acusada, julgada e condenada sumariamente, sem qualquer direito de defesa ou sequer o direito básico de contar o meu lado de uma história na qual me envolveram e da qual não dei causa e muito menos agi da forma narrada. Fui “apedrejada” por pessoas que sequer me conhecem e que não testemunharam ou viram qualquer prova do fato. Diante dessa realidade, hoje resolvi quebrar o silêncio e me pronunciar pela ÚNICA e ÚLTIMA vez sobre a questão, contando a minha versão dos fatos.

Para aqueles que não me conhecem, meu nome é KARINNA LEITE ARARUNA LIMA, filha de família sertaneja, de um PAI NEGRO e uma AVÓ NEGRA, com muito orgulho. Sou casada há mais de 20 anos e tenho dois filhos adolescentes. Trabalho desde os 17 anos, sendo atualmente corretora de imóveis e empresária do ramo da construção, muito respeitada em nosso estado, mantendo sempre minha reputação ilibada e distante de quaisquer condutas que maculassem a minha imagem.

Sempre pautei minha vida na retidão e na honestidade, criando meus filhos com esses conceitos no coração. Como acima dito, na ultima semana, me vi sendo acusada injustamente da prática de vários crimes contra uma menor, dentre eles elencados “lesão corporal” e “racismo”, ou, mais precisamente, injúria racial.

O fato se deu na frente da escola de minha sobrinha, mas de forma bem diferente daquela que vem sendo divulgada. Tudo começou com uma longa história de bullying que envolvia minha sobrinha como vítima e a menor (suposta vítima). Esse fato foi reportado à diretoria da escola, mas, mesmo com a intervenção da mesma, perdurava na surdina nos corredores, nos cantos das salas de aulas e entre grupos de colegas de sala, como esse tipo de ação normalmente ocorre, machucando a vítima no silêncio, gerado pelo medo da represália.

Cumpre esclarecer que o que houve foi uma conversa tranquila, na qual apenas se questionou o bullying existente, sem NENHUMA AGRESSÃO FÍSICA, como dito em tantos posts publicados em redes sociais. A ausência de agressão é facilmente comprovada pela falta de realização de um exame de corpo de delito na suposta vítima.

Esse documento nunca foi sequer produzido, uma vez que a suposta lesão nunca existiu.

Como se já não bastasse, fui ainda acusada da prática do crime de injúria racial, dito por muitos nos posts de redes sociais como “racismo” (crime hediondo e inafiançável, que não corresponde à acusação em questão). Desse modo, foi dito que eu teria, na conversa acima descrita, chamado a suposta vítima de “negrinha bocuda”. Esse fato nunca existiu, primeiramente por ter sangue NEGRO correndo em minhas veias com orgulho, pois sou filha e neta de NEGROS, tendo irmão e VÁRIOS PARENTES PRÓXIMOS NEGROS também. Além disso, a menina que se diz vítima de racismo, a meu ver, é branca, podendo até ser descendente de negros, assim como eu, mas tornando injustificadas ainda mais a acusação das “agressões raciais” nos termos divulgados.

Mesmo diante de argumentos acusatórios tão falhos e em desacordo com a verdade dos fatos, eu fui ameaçada, caluniada, injuriada e difamada por pessoas que conheço e principalmente por pessoas que não fazem parte de meu círculo social e são completamente estranhas à minha pessoa. Me vi não apenas no meio de um “furacão” de acusações falsas, mas também vitimada por crimes que serão devidamente apurados.

Encerro essa nota exaltando a minha inocência e deixando claro que nunca agredi ou injuriei a menor de idade em questão ou qualquer outro menor em toda a minha vida. Não imaginei que mágoas antigas da mãe da menor contra a minha pessoa pudessem, depois de anos, ecoar de forma tão injusta e em desacordo com a verdade.

Não falarei mais em redes sociais sobre o assunto e todos os fatos postados e compartilhados já estão nas mãos de meus advogados do corpo jurídico do escritório MOUZALAS, BORBA & AZEVEDO, representados pelo advogado Dr. GUSTAVO BOTTO, que me representam em busca de verdadeira justiça no caso em questão.

 

15 comentários

  • Romulo
    17:40

    Não conheço a mãe da menor, soube que está na Alemanha
    Cuidado p não ser deportada, a Sr. Esta mexendo com coisa séria, isso pode lher causar grandes prejuízos, não se usa a imagem de ninguém em redes sociais, achando que vai ficar impune,
    quem compartilhar tbm vai levar um processo. Pessoas sem estudo não sabem o que faz. Depois vai arcar com prejuízos na justiça.

  • Greici
    17:40

    Karinna leite ,jamais seria capaz de agredir um menor , o que acho engraçado é quem ninguém fala do a sobrinha dela vinha sofrendo na escola . É agora ainda piorou as coisas . Mais diálogo entre as parte .

  • Ana
    17:40

    Nada justifica é a exposição que uma mãe faz da própria filha, quando o que deveria fazer era proteger a menor, sem entrar no mérito da questão, como alguém pode expor a imagem de alguém, tentar causar um clamor social, sem trazer à tona provas que o fato aconteceu? Uma simples acusação e com uma única finalidade prejudicar alguém, só pra ganhar visibilidade. Muito medíocre a atitude.

  • Monica
    17:40

    Dúnia chega de holofotes, isso não vai te trazer a mídia,
    Essa mentira tem que acabar.
    Esse vídeo q vc postou do “diretor” que não se sabe ao certo se é ele, não comprova nada,
    Ele diz:”aconteceu” aconteceu o que??
    Pq ele não diz ao exato o que aconteceu.
    Vc sabe que isso tudo é mentira e a justiça comprovará isso.
    Vc se perde nas mentiras, nas suas primeiras postagens, vc em nenhum momento se referiu a racismo, pq agora tá usando esse termo???
    Difícil de ter credibilidade com tanta mentira.

  • Aline
    17:40

    A verdade é que esse tipo de assunto rende, tem que ser bem apurado pq quem tem boca diz o quer. Onde estão as provas? A irresponsabilidade de jogar certos assuntos em uma mídia é muito sério, tentar denegrir a imagem de outra pessoa só mostra o ódio que vem antes de qualquer justiça! Pelo que li aconteceram bullyngs com a sobrinha da mesma e que a menor também de 12 anos , estava sendo coagida até a cortar o cabelo entre outras coisas,não justificando qualquer agressão ou racismo como foi mencionado, será que o erro só veio de um lado? Sinceramente não acredito que um adulto possa ter feito isso tudo na frente de um colégio e cheio de testemunhas! Coisas podem ser aumentadas, mudadas e distorcidas. Vamos ter cuidado com isso!
    Conheço a família da corretora Karina e realmente fiquei surpresa, principalmente por saber que seu pai é negro, então não creio na veracidade desses fatos!

  • Maria Rita
    17:40

    #SOMOSTODOSKARINNA

  • Cinthia
    17:40

    Cadê as provas que esse fato realmente aconteceu? Sem provas não há argumentos.

  • Vera
    17:40

    Conheço sua índole e sei que esse tipo de atitude não corresponde ao seu caráter.

  • Karla
    17:40

    Senhor Janaen, não lhe conheço, nem vou responder mais por aqui,
    Só quero deixar claro uma coisa,
    Se ocorreu tudo isso que estão falando,
    Só precisam mostrar as provas,
    Pois contra provas não há argumentos,
    Simples assim!

  • Kelly
    17:40

    Como uma pessoa tem a cara de pau de mentir na cara dura!
    Minha querida, você está pensando que somos o que?!
    Queria ver se fosse sua filha que tivesse sido agredida, tenha vergonha .

  • Roberta
    17:40

    #todospormaria mais uma criança agredida no Brasil !

  • Virgínia
    17:40

    Engraçado, a vítima foi MARIA, não a senhora aí !
    Maria, não saiu da casa dela pra ir xingar, ou cuspir em ninguém.
    Como as pessoas adoram distorcer as coisas nas redes sociais.

  • Dunia Lima
    17:40

    Vamos pra frente,muito fácil fazer texto bonito, tenho provas contundentes,e eu nunca tive problemas com essa bandida!!!

  • Jansen
    17:40

    Engraçado que essa KARLA a quem faz o comentário ACIMA é irmã da agressora. Karine, a agressora em questão diz ter problemas “antigos” com a mãe da vítima! Como se justificasse! desmenti de forma descarada o fato da agressão presenciada por alguns coleguinhas de classe, funcionários e vivido pela criança Maria. Enfim… julguem! Ao contrário do que diz a KARLA, nada foi esclarecido. espero que a justiça seja feita pra que casos de preconceito e agressão física e moral em criança não aconteçam.

  • Karla
    17:40

    Enfim a verdade começou a aparecer!🙏
    Já estava fora do controle toda essa mentirada.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.