Consumo de animais selvagens pode ter dado origem ao novo coronavírus, diz pesquisador da UFPB

O pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública e Cooperação Internacional da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Rafael Fonseca, alerta, em artigo, que a efetivação de políticas públicas de combate à fome seria fundamental para evitar a contaminação pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2).

De acordo com Fonseca, a dificuldade em garantir alimentação saudável e segurança alimentar está na origem das infecções e doenças. “É evidente que a origem da indústria de animais selvagens está relacionada à dificuldade de aquisição de alimentos por uma parcela da população em condições de pobreza aguda. A fome assola a humanidade – há séculos – e se expressa de diferentes maneiras nas populações”, argumenta.

Para o pesquisador, o que se constata é a existência de inanição e fome oculta pelo mundo. “A inanição é a imagem que temos de um indivíduo magro em condições extremas por não conseguir adquirir os alimentos. A fome oculta é quando populações se alimentam, mas possuem dietas com baixos valores micro nutricionais durante um longo período”, explica.

Desde 1948, o direito humano à alimentação adequada está contemplado na Declaração Universal dos Direitos Humanos. “É responsabilidade do poder público implementar políticas, planos, programas e ações, em parceria com a sociedade civil organizada, para efetivar o direito humano à alimentação adequada”, enfatiza Rafael.

O médico e escritor pernambucano Josué de Castro já alertava em seus estudos que a fome é um projeto político e que “o continente asiático, historicamente, expressou o problema da fome em vastas populações”. Segundo Fonseca, há uma relação entre a indústria de animais selvagens com a problemática da alimentação humana.

“Existem diversas explicações para isso: a dificuldade de produção e aquisição de alimentos – por exemplo, no interior da China – devido à dificuldade de fazer uma agricultura diversificada, assim como a má distribuição da produção de alimentos saudáveis”, acentua o pesquisador da UFPB.

O Brasil possui o Sistema de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan), instituído por meio da Lei nº 11.346/2006 – a Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional (Losan). São marcos regulatórios sobre a segurança alimentar e nutricional no país para adotar medidas de combate à fome e garantir a alimentação adequada como direito fundamental do ser humano.

Conforme o pesquisador da UFPB, existem instrumentos científicos com o objetivo de identificar como os grupos de doenças se expressam nas populações. “Por exemplo, a gripe, tuberculose e a malária são doenças transmissíveis. Elas advêm do mundo natural e as não transmissíveis surgem por causa de disposições biológicas e problemas criados pelo ser humano”, conta Rafael.

Nesse sentido, o pesquisador adverte que “uma parte significativa da origem das doenças se vincula à alimentação humana e aos modos (estilos) de vida”. Fonseca reforça que – no intuito de conscientizar as pessoas sobre como as doenças surgem e no combate a elas – “medidas preventivas podem ser implementadas do ponto de vista das políticas públicas”.

É possível, diante dos pensamentos de Fonseca, relacionar a pandemia de Covid-19 com a precariedade da alimentação no mundo. “Não pretendemos inferir que a fome é a causa principal do novo coronavírus. Mas, de acordo com a literatura, torna-se possível relacioná-la com uma dieta alimentar precária e sem garantia, por exemplo, de questões sanitárias”, ressalta.

Rafael conta que a questão central, da relação entre fome e pandemia de Covid-19, é a reflexão sobre a vivência humana hoje. “Especificamente apontamos para dois caminhos da realidade contemporânea: a necessidade de garantir a soberania e segurança alimentar e nutricional; e questionar as condições alimentares das populações”, finaliza o pesquisador da UFPB.

 

 

 

 

Por Ascom UFPB

Foto: Pixabay

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.