Congressistas lamentam morte de Maranhão e destacam legado na política

Congressistas lamentaram a morte do senador José Maranhão em suas redes sociais. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-RJ), divulgou uma nota de pesar e decretou luto oficial na Casa por 24 horas.

“É com grande pesar que o Congresso Nacional recebe a confirmação, nesta segunda-feira (8), da morte do senador paraibano José Maranhão, aos 87 anos, vítima de complicações decorrentes da Covid-19. Em homenagem à sua memória, o Senado Federal decreta luto oficial de 24 horas”, escreveu Pacheco.

“José Targino Maranhão cumpria o seu segundo mandato como senador da República. Maranhão começou na política na década de 1950. Precisamente em 1955, quando foi eleito deputado estadual, cargo para o qual foi reeleito por mais três mandatos. As sinceras condolências do Parlamento brasileiro à família, aos amigos e a todos os paraibanos e as paraibanas”, afirmou o presidente da Casa.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) se manifestou em rede social.

“Acabo de receber a triste notícia da partida do querido amigo senador José Maranhão. De longe um dos maiores expoentes da nossa política, em muito contribuiu no Parlamento. Não à toa, era tão querido em sua amada Paraíba. Envio meus sinceros sentimentos à família e aos amigos”, escreveu.

Randolfe Rodrigues lembrou que Maranhão teve participação importante na história política do país. “Era no Senado o único senador remanescente do golpe militar de 1964. Ele foi cassado pela ditadura e ajudou na fundação do MDB”, tuitou.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) também lamentou a perda do colega.

“Com grande tristeza, manifesto minha solidariedade ao povo paraibano e à família do senador José Maranhão, levado pelo Covid-19 nesta segunda. Deixa de legado a larga trajetória política. No nosso coração, estará sempre a lembrança da sua cordialidade”, escreveu.

Líder da bancada do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM) afirmou, no Twitter, que perdeu um amigo.

“Mais do que um correligionário, perdemos um amigo, um companheiro querido e gentil, admirado e respeitado por todos que o cercavam, por sua experiência e por sua postura pessoal e política, marcada pelo compromisso e pela integridade.”

Segundo ele, trata-se “mais uma perda irreparável causada pela Covid-19”.

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) destacou que Maranhão foi “uma referência da política nordestina” e Cid Gomes (PDT-CE) o considerou “um defensor do Nordeste”. Também já se manifestaram Weverton (PDT-MA), Roberto Rocha (PSDB-MA) e Telmário Mota (Pros-RR) para quem Maranhão foi um lutador “a favor da vida dos paraibanos e brasileiros”.

A suplente de Maranhão, Nilda Gondim, e o senador Veneziano Vital do Rêgo, filho dela, ambos do MDB-PB, divulgaram nota lamentando a morte do senador. “Mais que uma perda de um grande homem público para a Paraíba, perdemos um ser humano incomum, um homem de extrema dedicação às causas paraibanas e ao seu estado”, afirmou Veneziano. “José Maranhão deixo exemplos para as gerações futuras, de como amar e se dedicar à sua terra e à sua gente. Um homem forte, que lutou até enquanto pôde pela vida”, destacou Nilda Gondim. O senador Eduardo Gomes (MDB-TO) também divulgou nota em solidariedade à família.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.