Com Couto para o Senado, Marcos Henriques é cotado para a Câmara Federal

Diante da perspectiva da confirmação do nome do deputado federal Luiz (PT) para disputar o Senado Federal, na chapa encabeçada pelo pré-candidato do PSB ao governo do estado, João Azevêdo, o PT já está se mobilizando para escolher um nome que apresentará para a disputa na Câmara Federal. E o ungido deve ser o vereador Marcos Henriques, já que os deputados estaduais Frei Anastácio e Anísio Maia disputam a reeleição.

Em uma mensagem às lideranças do PT, divulgada nesta segunda-feira (30), o professor e dirigente do PT na Paraíba,  Éder Dantas, diz que  para o governo da Paraíba o partido caminha para uma aliança com o PSB, com a possibilidade da candidatura de Luiz Couto para o Senado, cuja eleição abriria espaço para uma inédita representação de esquerda nesta casa.

“Todavia, a saída de Luiz para disputar a Câmara Alta coloca em risco a manutenção de nosso mandato de Deputado Federal. Isto significa a possibilidade de perdermos representação política, fundo partidário e tempo de propaganda na televisão e no rádio”, diz Éder na nota.

Ele lembra que a prioridade nacional, depois de Lula, é o partido ter representação na Câmara Federal  e alerta para a necessidade de manutenção do mandado petista na Câmara dos Deputados.

“Entendo que as lideranças do PT precisam ser responsáveis no sentido de construirmos a manutenção do nosso mandato na Câmara dos Deputados. Não é tempo de aventuras. Temos que entrar na disputa para valer. Para mantermos nosso mandato federal precisamos de uma estratégia clara, de unidade e, sobretudo, jogar carga máxima para a disputa que se avizinha. Para tanto, propugno que os deputados Frei Anastácio, Anísio Maia e o vereador pessoense Marcos Henriques repensem seu planos atuais e se coloquem à disposição da construção de uma candidatura unitária”.

Veja íntegra da nota de Éder Dantas:

Mensagem às lideranças do PT-PB:

Jogar carga máxima para a manutenção de nosso mandato Federal

Companheiros e companheiras, o momento de nosso encontro partidário está chegando. A convenção também se avizinha. É tempo de tomar decisões cruciais.

Do ponto de vista nacional, a candidatura Lula lidera todas as pesquisas no 1. e no 2. turno. Para o governo da Paraíba, caminhamos para uma aliança com o PSB. Uma grande notícia é a possibilidade da candidatura de Luiz Couto para o Senado, cuja eleição abriria espaço para uma inédita representação de esquerda nesta casa.

Todavia, a saída de Luiz para disputar a Câmara Alta coloca em risco a manutenção de nosso mandato de Deputado Federal. Isto significa a possibilidade de perdermos representação política, fundo partidário e tempo de propaganda na televisão e no rádio.

Entendo que as lideranças do PT precisam ser responsáveis no sentido de construirmos a manutenção do nosso mandato na Câmara dos Deputados. Não é tempo de aventuras. Temos que entrar na disputa para valer. A bancada nesta casa é a segunda prioridade nacional, depois de Lula.

Para mantermos nosso mandato federal precisamos de uma estratégia clara, de unidade e, sobretudo, jogar carga máxima para a disputa que se avizinha. Para tanto, propugno que os deputados Frei Anastácio, Anísio Maia e o vereador pessoense Marcos Henriques repensem seu planos atuais e se coloquem à disposição da construção de uma candidatura unitária.

Defendo um diálogo racional para que as principais lideranças partidárias apoiem o nome mais bem posicionado, mais conhecido, tanto na capital como no interior, com maior capilaridade, especialmente nesta que será uma campanha curtíssima, com pouco tempo para se projetar caras novas.

Como disse em outra postagem, temos que ter juízo na cabeça. Há muita coisa em jogo. Não podemos jogar fora um mandato federal. É tempo de exercer o altruismo, na vitória do PT, do eleitorado progressista da PB e na necessidade de termos um deputado 100% alinhado com o futuro governo de Lula.

O desafio está colocado: o povo da PB concedeu desde 1996 um mandato federal ao PT. Queremos mantê-lo ou não? Então chegou o momento de sentarmos à mesa e construirmos, vaidades à parte, o melhor para o nosso projeto partidário, coletivo, através de uma candidatura a federal que unifique as diferentes forças petistas. Quem tem realmente chances de ganhar? A resposta a esta questão é a senha para a nossa vitória.

Assim como está fazendo Luiz (ao se colocar à disposição para a disputa majoritária), precisamos de gestos grandiosos, de construção coletiva. Como diz o líder norte-americano Bernie Sanders, política boa é politica feita com ousadia.

João Pessoa, 30 de julho de 2018.

Éder Dantas
Professor e dirigente do PT PB

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.