Chapa 2 se diz surpresa em mudança no calendário do relatório final na UFPB

Após denúncias de fraude na eleição para reitoria da UFPB, a Chapa 2 “UFPB, inovação com inclusão”, encabeçada por Terezinha Domiciano e Mônica Nóbrega, divulgou uma nota na qual demonstra surpresa pela proposta de alteração do calendário dos prazos da Comissão Organizadora para elaborar o relatório final.

 

A Chapa 2 ressalta, ainda, que o relatório da Superintendência de Tecnologia da Informação (STI) afastou a possibilidade de fraudes no processo eleitoral. “O que podemos, neste momento, é apenas lamentar a forma e o conteúdo que foram levados à imprensa, que atacaram a instituição, mas que em face aos esclarecimentos oferecidos pela STI, que merecem ser amplamente divulgados, a verdade foi restabelecida e aguardamos que a Comissão apresente seu relatório final até a quarta-feira, conforme anunciado,” diz a nota.

 

Confira a nota

 

A Chapa 2 “UFPB, inovação com inclusão”, vem, por meio desta, dirigir-se à militância aguerrida, que continua contribuindo no processo eleitoral, para dizer que estamos atentas e acompanhando cada passo que envolve essa fase de conclusão dos trabalhos da Comissão Organizadora da consulta eleitoral.

 

Ontem, 31 de agosto, foi um dia de debates, alguns mais calorosos do que gostaríamos, pois fomos surpreendidas com a inclusão de processo na pauta do Consuni com a proposta de alteração do calendário referente aos prazos da Comissão na elaboração de seu relatório final. A nossa chapa tem total interesse que todas as dúvidas sejam devidamente apuradas, pois a nós interessa que todo o processo que envolve a escolha de dirigentes da UFPB transcorra de forma a confirmar aquilo que foi expresso nas urnas.

 

Neste sentido, consideramos da maior importância a manifestação da STI, na qual atestou que adotou todas às medidas necessárias em conformidade com as regras definidas na Resolução Consuni n. 04/2020, que disciplina as eleições para os cargos de Reitor(a) e Vice-reitor(a) na UFPB. Avaliamos, inclusive, que na manifestação da STI encontra-se a demonstração irrefutável de que os elementos apresentados na denúncia no que se refere aos discentes são falsos e, portanto, não há que se falar em irregularidades. Por fim, cada vez fica mais claro que a denúncia jamais poderia ter sido tratada como fraude. O que podemos, neste momento, é apenas lamentar a forma e o conteúdo que foram levados à imprensa, que atacaram a instituição, mas que em face aos esclarecimentos oferecidos pela STI, que merecem ser amplamente divulgados, a verdade foi restabelecida e aguardamos que a Comissão apresente seu relatório final até a quarta-feira, conforme anunciado.

 

Estaremos acompanhando atentamente a continuidade deste processo. A Procuradoria Jurídica da UFPB deve apresentar suas considerações a partir dos esclarecimentos oferecidos pela STI e, de posse disso, caberá à Comissão organizadora, na próxima quarta-feira, votar seu relatório final. Estamos confiantes de que a vontade da comunidade universitária da UFPB será mantida e em breve, superada a disputa eleitoral, estaremos sendo empossadas, para junto com toda Comunidade da UFPB continuarmos oferecendo à sociedade paraibana e ao país aquilo que é a missão da UFPB: o ensino, pesquisa e extensão a serviço do desenvolvimento econômico, social e cultural do país.

 

João Pessoa, 01 de setembro de 2020

 

Terezinha Domiciano Dantas Martins e Mônica Nóbrega

 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.