Capa da IstoÉ é “criminosa e inescrupulosa”, reclama ministro

A atual edição da IstoÉ incomodou ao menos um integrante do primeiro escalão do governo federal. Ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD) externou publicamente o que pensa a respeito da decisão tomada pela publicação semanal mantida pela Editora Três — que compara o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao nazista Adolf Hitler, além de chamá-lo de “genocida” e “mercador da morte”. Para o aliado do mandatário brasileiro, a capa desta semana da revista é “criminosa e inescrupulosa”.

O titular do Ministério das Comunicações enfatizou que repudia o material que circula nas bancas e nas redes sociais desde a última sexta-feira, 15. “Estamos em processo de pacificação e somos surpreendidos com essa capa asquerosa. Que os órgãos competentes adotem as medidas legais cabíveis!”, afirmou Faria em seu perfil no Instagram (e também via Twitter), dando a entender que espera que a revista seja punida pelo material crítico a Bolsonaro. Até o momento, a postagem conta com quase 30 mil curtidas e 8 mil comentários.

Diferentemente de Fábio Faria, Jair Bolsonaro não comentou — ao menos até o fim da manhã deste domingo, 17 — a matéria de capa da IstoÉ. No decorrer dos últimos dias, ele tem utilizado as redes sociais para enfatizar ações realizadas pelo seu governo. Destacou, por exemplo, repasses bilionários para unidades básicas de saúde (UBSs) e investimentos em UTIs e em tratamentos precoce contra o câncer de mama.

Além de Fábio Faria. Mais políticos criticam a IstoÉ

Fábio Faria não foi, contudo, o único político a tecer críticas públicas à IstoÉ. O deputado federal Guiga Peixoto (PSL-SP) aderiu à hashtag #istoelixo, que neste fim de semana chegou a ser um dos assuntos mais populares entre usuários brasileiros do Twitter. Para o parlamentar, o semanário da Editora Três transformou-se em veículo de comunicação parcial e sem credibilidade. Ao fazer tal afirmação, ele resgatou capa em tom elogioso ao governador de São Paulo e postulante ao Palácio do Planalto, João Doria (PSDB).

Integrante do PRTB e deputado estadual de Minas Gerais, Bruno Engler usou a #istoelixo para fazer um questionamento. Ele levantou a possibilidade de repercussão da capa da IstoÉ caso um membro do Supremo Tribunal Federal fosse a figura comparada a Hitler. “Imagine o que iria acontecer com a revista IstoÉ se fosse um ministro do STF. Essa é a nossa imprensa ‘isenta’”, lamentou o político mineiro.

A matéria da IstoÉ sobre Jair Bolsonaro

Disponibilizada também na internet, a matéria de capa da atual edição da revista IstoÉ é assinada por Marcos Strecker e Ricardo Chapola. Além de apresentar Jair Bolsonaro como se fosse o líder nazista Hitler e chamá-lo de “genocida” e “mercador da morte”, o título interno da reportagem define-o como “arquiteto da tragédia”. O conteúdo em si do material foca no relatório que deverá ser apresentado nos próximos dias pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Pandemia. Informa-se, por exemplo, que o presidente da República deverá ser “enquadrado por 11 delitos”. Na lista, estão publicidade enganosa, charlatanismo e homicídio doloso.

 

 

 

3 comentários

  • Ely Varela
    07:39

    Não existe mídia brasileira nem mundial isenta. Além de tudo ser ideológico e político, a mídia geral da terra brasilis nasceu sob égide de oligarquias e clãs familiares travestidos de empresas noticiosas , portanto atreladas à interesses econômicos, ideológicos e políticos! Cada mídia dança conforme a direção desses ventos de poder

  • LUIS EVANDRO SANTOS DE SA
    07:39

    Os serviçais de Bolsonaro como Fábio Faria, cumplices no genocídio e desatinos que vem sendo cometidos ao longo dos 3 últimos anos, são contra que se divulguem estes crimes.
    Curioso é que não se opuseram à execução dos crimes e agora querem eliminar o mensageiro.
    São tão criminosos quanto o autor e todos devem ser investigados, processados e presos.
    Bangu 8 ou a Papuda os aguarda para longos banhos de sol!

  • Rosângela Garcia
    07:39

    Sou professora a exatamente 32 anos. Em minhas aulas sempre utilizei algumas reportagens da revista ISTOÉ, porque têm conteúdo de qualidade e os autores das reportagens são jornalistas íntegros e éticos. Parabéns a revista ISTOÉ por dizer tudo o que eu tinha vontade sem faltar uma única vírgula de verdade.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.