Câmara de Igaracy realiza audiência para discutir matança de cães

A Câmara Municipal de Igaracy (CMI) realiza no próximo dia 5 uma audiência pública para debater a matança de cães ocorrida na cidade no dia 6 de março. A informação foi prestada nesta terça-feira (20) pelo vereador de João Pessoa, Marmuthe Cavalcanti (PSD), que durante pronunciamento na tribuna da Câmara Municipal de João Pessoa, hoje, relembrou a morte dos animais.

Na ocasião o parlamentar pediu para que a Câmara pessoense apoie a audiência.

“Foi um ato de covardia e crueldade denunciado pela própria população de Igaracy, chocando a todos e transformando-se em notícia nacional. Lamento om ocorrido e me junto ao clamor dos grupos que defendem os direitos dos animais, à Ordem dos Advogados do Brasil na Paraíba (OAB-PB) e ao Ministério Público da Paraíba (MPPB), numa investigação completa sobre o caso”, discursou Marmuthe. “Não podemos ignorar a gravidade do fato”.

O vereador também lembra que, desde 2013, seu mandato tem várias ações relacionadas ao bem-estar e defesa dos animais na cidade de João Pessoa, a exemplo da propositura que previa o atendimento veterinário gratuito para os animais de estimação de pessoas carentes carentes; a criação do registro geral de animais domésticos; a criação na Câmara da Frente Parlamentar de Defesa dos Animais; e o serviço de socorro veterinário público, o SamuVet.

Investigações e manifestações

No dia 7 de março, a Promotoria de Justiça de Piancó do MPPB instaurou um inquérito civil público para apurar as mortes a pauladas de aproximadamente 50 cachorros no interior de imóvel público em Igaracy, no Sertão do estado, que teria ocorrido um dia antes, ganhando grande repercussão nas redes sociais com o compartilhamento de imagens e vídeos. A matança teria ocorrido sob a responsabilidade direta e pessoal do secretário José Carlos Maia, que teria autorizado ou permitido o ato, ainda que por omissão. Dois dias depois, o secretário foi exonerado pelo prefeito de Igaracy, José Carneiro Almeida da Silva (PTB).

No dia 11 de março, protetores independentes, associações e organizações não governamentais de defesa animal, como o Ajude Anjos de Rua, o Adote-JP e o Arpias, entre outras entidades, fizeram um ato de protesto na região do Busto de Tamandaré, na divisa das Prais do Cabo Branco e Tambaú, em João Pessoa, exigindo investigação e punição aos culpados pela matança.

“Nosso mandato continuará acompanhando este caso e peço a sensibilização dos colegas de plenário e da sociedade pessoense para não aceitarmos atos tão nefastos. A investigação deve ser criteriosa e os culpados punidos na forma da lei”, finalizou Marmuthe Cavalcanti

Em nota, no último dia 13, a OAB da Paraíba divulgou: “Tirar a vida de animais, de maneira brutal, não é medida sanitária e nem preventiva de doenças. Também não é modelo de moralidade e eficiência de gestão pública. Trata-se, uma vez comprovado, de crime ambiental”, diz trecho da nota.

Comentários